Cadelas são resgatadas por policiais após denúncia de maus-tratos em Parnaíba, PI

Cadelas são resgatadas por policiais após denúncia de maus-tratos em Parnaíba, PI
Cadelas são resgatadas pela polícia em Parnaíba, litoral do Piauí. — Foto: Alan Lima/Protetores de Animais de Parnaíba

A Polícia Civil resgatou duas cadelas vítimas de maus-tratos na cidade de Parnaíba, litoral do Piauí. De acordo com a polícia, os animais estavam cheios de carrapato e um deles com um tumor na mama que precisa de cirurgia. O cumprimento do mandado de busca e apreensão foi realizado nessa segunda-feira (11).

Segundo a delegada titular do 1° Distrito Policial de Parnaíba, Rafaela Bezerra, a polícia já acompanhava o caso há cerca de quatro meses. Ao G1, ela disse que o resgate e a instauração do inquérito policial, contra o tutor dos animais, só foi possível depois do recebimento de denúncia anônima acompanhada de provas.

Cadelas são resgatadas pela polícia em Parnaíba, litoral do Piauí. — Foto: Alan Lima/Protetores de Animais de Parnaíba

“Após uma denúncia anônima acompanhada de vídeos, nós pedimos a busca e apreensão das cadelas ao judiciário. Ontem conseguimos dar cumprimento e encaminhamos os animais para um lar temporário. As cadelas estavam cheias de carrapato e uma delas tem um tumor na mama que precisa de cirurgia”, informou Rafaela Bezerra. 

Os animais estão temporariamente sob os cuidados do grupo Protetores de Animais de Parnaíba e vão passar por consultas e exames e, somente depois disso, estarão aptos para adoção.

Resgate de animais em Teresina
 
No dia 5 de janeiro, a Polícia Ambiental do Piauí resgatou 12 animais na manhã desta terça-feira (5) de uma residência no bairro Matinha, Zona Norte de Teresina. Segundo a polícia, o responsável pelos animais foi preso em flagrante e os cães foram encontrados sem comida, água e expostos ao sol e à chuva.

Cães abandonados foram resgatados pela polícia em Teresina. — Foto: Reprodução TV Clube

Por Naftaly Nascimento, estagiária sob supervisão de Jaqueliny Siqueira.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.