Cadelas são sequestradas em Centro de Proteção de Animais em Jacobina, BA

Cadelas são sequestradas em Centro de Proteção de Animais em Jacobina, BA
Foto: Reprodução internet

O sequestro de duas cadelas dentro das instalações do CEPA – Centro de Proteção de Animais -, localizado na BR-324, próximo à Cachoeira de Aníbal, em Jacobina, deixou as voluntárias da Associação 4 Patas preocupadas. A 4 Patas cuida de animais que foram abandonados por seus tutores ou que estão passando por problemas de saúde, como é o caso de uma das cadelas levadas nesta segunda-feira (23).

Gislane, que é membro da 4Patas, contou ao Jacobina Notícias que uma das cadelinhas levadas se chamada Val, e ela está passado por um tratamento difícil. Val tem feito quimioterapia, mas o tratamento foi interrompido desde a manhã de ontem, quando a equipe da 4 Patas notou o sumiço dos animais. Gislane usou as redes sociais para pedir ajuda e tentar localizar o paradeiro das cadelas.

Pedido da 4 Patas

“Essas duas cadelinhas se encontravam no Cepa, sobre nosso cuidados, são Bela e Val. Porém, ontem o protetor Haziel foi alimentar a galerinha [animais] e sentiu falta das duas. Como não tinha sinal d arrombamento no local, voltamos com uma turma (Marilene, Carlinhos, Gislane, Cristielle e Haziel) e a polícia para procurar pistas. Logo identificamos o local onde entraram, usaram restos de uma maca e uns aparelhos que tinham em uma sala externa para pulares o muro….preço que, por favor, se alguém as viu entrem entrem contato. A Val [cadela sequestrada] está em tratamento contra o TVT, ainda resta uma sessão de quimioterapia”, pede Gislane, da Associação 4Patas.

Gislane completa o pedido explicando que as cadelas estavam para adoção. “Não consigo entender, elas estavam para doação, não precisavam sequestrar as cadelas não minha gente”, desabafou.

Quem tiver informações sobre o paradeiro das duas cadelas, pode entrar em contato com a própria Gislane, através do telefone (74) 9.9192-4426, também utilizado no aplicativo WhatsApp.

Fonte: Jacobina Notícias 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.