Cães continuam abandonados em Volta Redonda (RJ) mesmo após repercussão do caso ‘Manchinha’

Cães continuam abandonados em Volta Redonda (RJ) mesmo após repercussão do caso ‘Manchinha’

Abandonado na rua, envenenado, ferido por um segurança com uma barra de ferro, morto em decorrência de um choque hemorrágico. Esse foi o fim de “Manchinha”, o cachorro do caso Carrefour em Osasco (SP), que comoveu o Brasil, mas assim como ele há outros “Manchinhas” nas ruas. Muitos tiveram a sorte de serem “vistos” resgatados, medicados, castrados por protetores e estão disponíveis para adoção. Na SPA (Sociedade Protetora dos Animais) de Volta Redonda, por exemplo, há 100 cães à espera de uma família. Apesar de toda a indignação e protesto com o caso Manchinha, nenhum cão foi adotado após o episódio trágico, de acordo com o vice-presidente da ONG SPA, Igor Reis.

– Mesmo com toda comoção do caso não tivemos nenhum cachorro adotado na ONG, infelizmente. Atualmente temos 100 cães e 60 gatos disponíveis para adoção, a maioria é castrada, eles estão prontos para um lar – disse, acrescentando que casos como o do “Manchinha” acontecem todos os dias, inclusive na região e a SPA combate maus-tratos, fazendo trabalhos de conscientização e orientação, além da doação dos animais abandonados.

Igor Reis enfatizou que a “indignação seletiva” com o caso foi momentânea na internet, apesar de ativistas sérios terem participado dos protestos. O vice-presidente da SPA destacou ainda que “não adianta se indignar com o caso e continuar comprando cachorro na OLX”, disse.

– Abandono animal acontece todos os dias, no caso do “Manchinha” era só ter retirado ele da rua, a sociedade também é culpada. Quando você adota um animal de um protetor ou de um abrigo você ajuda dois animais: o que vai para sua casa e o que entra na vaga dele. Quando você compra, você fomenta um mercado triste e cruel e colabora para essa triste exploração – comentou.

Os interessados em adotar um animal da SPA podem entrar em contato através do telefone (24) 99985-7023. A ONG conta com um projeto de castração a um preço totalmente acessível voltado a população carente. A SPA faz parte do Conselho Municipal de Proteção e Defesa Animal de Volta Redonda, onde atua junto ao poder público, discutindo políticas públicas voltadas aos animais. Conheça o trabalho da SPA na fan page: facebook.com/SPAVoltaRedonda.

Abandono em dezembro e janeiro cresce 50%

Devido ao fim de ano com as viagens prolongadas e férias escolares, o número de abandono animal registra um crescimento de 50% em comparação aos demais meses do ano, segundo Igor Reis.

– São abandonados cães que foram comprados no Natal passado e dados como presente, sem consciência alguma que o animal iria crescer, ficar doente, entre outras situações que são normais. É preciso ter responsabilidade para ter um animal em casa e quando a família decide uma viagem é necessário levar o animal ou deixá-lo num pet hotel ou com alguém da sua confiança para cuidá-lo no período que estiver fora, mas nunca abandonar. A chance de um cachorro que foi criado dentro de uma casa sobreviver na rua é mínima – disse.

Além do abandono animal por causa das viagens de fim de ano, o período de comemoração – réveillon- com fogos de artifício, facilita a fuga dos animais que se assustam com o estampido dos fogos. Igor Reis revelou que todas as cidades deveriam considerar fogos com efeito silencioso para não prejudicar os animais, como o que aconteceu em São Paulo, onde este ano na Avenida Paulista terá queima de fogos silenciosa em respeito aos animais.

Câmara aumenta pena de maus-tratos contra animais

A Câmara dos Deputados aprovou nesta semana o projeto de lei que aumenta pena em casos de maus-tratos contra animais. O texto estabelece que a pena será acrescida de um sexto a um terço, se ocorre morte do animal ou quando forem constatados atos de zoofilia (ato sexual entre seres humanos com animais). A matéria também foi aprovada no Senado e aguarda a sanção do presidente Michel Temer.

Para o vice-presidente da SPA, Igor Reis, foi um marco no direito da causa animal, não pelo aumento da pena, mas pela mudança no grau da classificação do crime, pois atualmente, abandono e maus-tratos a animais são considerados pela lei como crimes de menor potencial ofensivo, com pena de três meses a um ano. Penalidade que pode ser revertida em trabalhos sociais, por exemplo.

– Com a mudança o crime passou de baixo potencial ofensivo para médio potencial ofensivo, um avanço em termos penais – citou, acrescentando a legislação municipal de Volta Redonda.

– A legislação municipal de Volta Redonda prevê multa para casos de maus-tratos ou abandono de R$ 1.200,00 por animal, em casos de sumiço do animal a multa sobe para R$ 1.800,00, por animal e em casos de morte do animal R$ 2.400,00, por animal – frisou.

Em Volta Redonda, de acordo com Igor Reis, a SPA recebe por dia 30 denúncias de vários tipos desde agressão e abandono, sendo a maior parte tortura e agressão. Igor explicou que “deixar um animal acorrentado 24h por dia já é caracterizado maus-tratos”. O consentido, segundo Igor, pela legislação municipal é permitir que o animal fique apenas uma hora por dia na corrente, e citou exemplos: quando chegar uma visita em casa, ou quando for sair com carro.

Em relação às denúncias de maus-tratos, o vice-presidente da SPA, esclareceu que a fiscalização municipal não é eficiente.

– Há fiscalização da prefeitura é ruim, não há retorno das denúncias. Apesar da criação do Conselho Municipal de Proteção e Defesa Animal, a prefeitura ignora o próprio conselho não respondendo aos ofícios – concluiu.

Prefeitura diz que há fiscais no atendimento de denúncias

A prefeitura, através da assessoria de imprensa, disse que com a reformulação da Guarda Municipal Ambiental, a Secretaria de Meio Ambiente passou a contar com o apoio de dois agentes que circulam de motocicleta pelos bairros e atuam nas ocorrências de maus tratos a animais domésticos.

-Além disso, atualmente contamos com seis fiscais de postura lotados no Meio Ambiente que se revezam no atendimento as denúncias recebidas do Ministério Publico, das ONGs de proteção aos animais, e também dos contribuintes – diz a nota.

Ainda em nota, nos últimos dois anos foram realizados “15 autos de infração e o valor das multas varias entre R$ 1.200,00 a 1.600,00 e o valor arrecadado vão para o Fundo Municipal de Conservação Ambiental, que posteriormente é revertido em ações da secretaria.

-Reforço que a educação ambiental tem por objetivo melhorar a conscientização da população em relação às questões de bem estar animal, além de um trabalho integrado diretamente com as associações de defesa dos direitos aos animais – informa outro trecho da nota.

A secretaria de Meio Ambiente ainda solicitou à população que denuncie casos de maus-tratos animais através do telefone (3339-9073), ou diretamente na SMMA-VR (3350-7123), ou ainda através do e-mail [email protected]

Por Franciele Bueno, com informações da Agência Brasil

Fonte: Diário do Vale

Lei que aumenta pena para crime de maus-tratos PREJUDICA animais

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.