Cães e gatos esperam por adoção em São Vicente, SP

Cães e gatos esperam por adoção em São Vicente, SP
Cães e gatos deixados nas ruas da Cidade esperam por um novo lar. (Foto: Divulgação/PMSV)

O número de animais abandonados no período de férias cresceu. Abrigados no Departamento de Zoonoses de São Vicente, cães e gatos deixados nas ruas da Cidade esperam por um novo lar. A adoção responsável é um caminho.

“Já cuidei de gatinhos deixados na Rodovia dos Imigrantes. Tenho dois em casa, mas o meu coração não aguenta e vou levar um filhotinho também”, disse a cozinheira Raquel Mazele que adotou um dos cinco gatos deixados na porta do Departamento de Zoonoses. O nome escolhido pela cozinheira foi ‘Fiel’, uma homenagem ao seu time Corinthians.

Kleber Souza, chefe de departamento da Zoonoses de São Vicente, explica que o período de férias é marcado pela crescente no número de abandono de animais. “As pessoas abandonam seus bichinhos para viajar”. A alta é de 30% tanto no verão quanto no inverno.

Cuidados

O animal abandonado é recolhido e fica até dez dias abrigados no Departamento de Zoonoses, onde passa por castração, vermifugação e instalação de chip. Durante esse período ele fica disponível para adoção, mas, passado o prazo, retorna às ruas em local próximo aonde foi recolhido.  Kléber explica que essa é uma alternativa encontrada para controle populacional.

“Antigamente era realizada a eutanásia de animais saudáveis para esse controle populacional. Mas atualmente a legislação permite que as zoonoses cuidem dos animais para que eles possam ser adotados por alguém na rua”, explica Kleber.

O animal comunitário, bichinho adotado pela população nas ruas, também recebe cuidados veterinários e retorna para o seu lar. O vira-lata Pedrinho é um dos cães comunitários do Japuí e foi recolhido para que passasse por tratamento para voltar às ruas.

Gatos

Os felinos também possuem a chance de conseguir um lar. Após um pedido do seu filho, a médica Mônica Palma entrou em contato com a o Departamento de Zonooses e adotou a gata ‘Kika’ que está atualmente com três anos de idade.

“Meu filho sempre teve muito medo de cachorro e um dia ele chegou da escola falando que queria ter um gato. Entrei em contato com a Zoonoses e no mesmo dia adotei a Kika”, conta Mônica. O carinho de ter um bicho adotado permitiu que posteriormente ela acolhesse mais uma gata: a Nika.

As gatas já se tornaram parte da família, sendo carinhosamente chamadas de irmãs pelo filho da médica. “Eu queria ajudar um bichinho a sair das ruas, mas quem foi ajudado fui eu. Perdi meu medo de animais e elas me ajudaram muito neste processo”, explica Gabriel Palma, de 11 anos.

Adoção

Os interessados em adotar um animal devem procurar o Departamento de Zoonoses (Rua Catalão, 530 – Vila Voturuá) com documento de identidade e comprovante de residência em mãos. Após a escolha do pet, a pessoa deve assinar o termo de adoção responsável, garantindo que o animal não volte às ruas.

Fonte: Diário do Litoral

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.