Cães e gatos podem ‘doar’ sangue e salvar a vida de outros animais

Cães e gatos podem ‘doar’ sangue e salvar a vida de outros animais
ARTE/METRÓPOLES: YANKA ROMÃO

Doar sangue pode salvar muitas vidas, entretanto, o que nem todo mundo sabe é que os animais também podem doar e salvar a vida de muitos cães e gatos que sofreram algum acidente ou foram diagnosticados com alguma doença grave. E assim como funciona com os humanos, o processo tem algumas exigências para que os bichinhos possam realizar as transferências.

De acordo com a médica veterinária especialista em bem-estar animal, Roberta Azevedo, a doação e coleta de sangue em cães e gatos é feita basicamente da mesma maneira em que é realizada nos humanos, em bolsas coletoras com anticoagulantes. Os animais podem doar a cada 3 meses e o candidato precisa atender algumas exigências.

“Os cães doadores precisam ter entre 1 e 8 anos, pesarem mais de 27 quilos e podem doar no máximo 16 ml de sangue por quilo. Já os gatos precisam ter entre 1 e 7 anos, terem mais de 4 quilos e só podem doar 13 ml de sangue por quilo. E em todos os casos, o pet deve ser dócil, estar saudável, com as vacinas e vermífugos em dia e nunca ter recebido uma transfusão sanguínea”, explica Roberta.

E doar sangue não é apenas benéfico para aqueles que precisam da doação. A veterinária explica que os animais doadores geralmente recebem um check up gratuito e completo. O serviço oferecido aos doadores é uma maneira de incentivar a doação de sangue. De acordo com ela, muitos tutores não conhecem essa alternativa.

“Muitos tutores só tomam conhecimento da possibilidade de doar sangue quando os seus pets estão em alguma situação onde precisam da transfusão. E a necessidade de transfusão não é apenas em acidentes, muitas doenças causam problemas sanguíneos, como a doença do carrapato, que é bem comum”, explica.

Onde doar?

Roberta explica que a coleta é realizada na veia jugular, a do pescoço, com o animal deitado de lado e dura no máximo 15 minutos. Como é um procedimento que precisa ser realizado de maneira correta e com profissionais sérios, a veterinária orienta que os tutores procurem centros de hemoterapia pet.

“Assim como com os humanos, os pets tem uma tipagem sanguínea, logo, é preciso ser testado antes da doação. E geralmente os locais especializados têm estrutura para testes, processamento e armazenamento correto desse sangue. E quando as clínicas e hospitais da cidade precisam do sangue, entram em contato direto com eles”, conta.

 

Em Brasília existem dois grandes centros onde o tutor pode levar o pet para realizar a doação. Confira:

Hospital Veterinário da Universidade de Brasília (UnB), Campus Universitário Darcy Ribeiro, via L4 Norte. Das 7:30h às 18h. (61) 3107-2801.

Centro de Hemoterapia Pet do DF (OHV), SIBS. Quadra 2 , Conjunto 1, Lote 3, Núcleo Bandeirante. Funciona 24h. (61) 3053-3293.

Centro Veterinário de Hemoterapia (CVH), Setor B Norte, QNB 17, Taguatinga Norte. Das 08h às 21h. (61) 3036-2776.

Por Zilá Motta

Fonte: Metrópoles


Nota do Olhar Animal: É claro que animais não “doam” sangue e que não é uma atitude espontânea deles. O sangue lhes é retirado compulsoriamente. Mas o dano causado aos “doadores” é ínfimo, irrelevante, e resulta em benefício enorme para outros animais.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.