Cães selvagens e chitas em fase monitorização na Angola

Uma campanha de monitorização e contagem de chitas e de cães selvagens (mabecos) existentes nas áreas de conservação com vista à sua preservação e conservação, arranca este mês, informou à Angop, o director do Instituto Nacional da Biodiversidade e Áreas de Conservação.

Abias Huongo referiu que a iniciativa, implementada por especialistas nacionais e estrangeiros, arranca, numa primeira fase, nos parques nacionais do Bicuar (província da Huíla) e da Mupa (Cunene).

Abias Huongo disse que câmaras de vigilância estão a ser montadas nos parques em referência. “Queremos, com este trabalho, proceder ao monitoramento da biodiversidade de Angola para conhecermos as principais espécies existentes.

O cão selvagem é uma espécie rara, que em alguns países em África é dado como extinto”, frisou.

O mesmo trabalho vai ser feito na zona transfronteiriça do Okavango/Zambeze, na província do Cuando Cubango, onde será feito o levantamento de carnívoros como onças, leões e chitas. Além de especialistas nacionais, os trabalhos contam com a participação da organização internacional Pantera e do Programa de Conservação de Chitas e Cães Selvagens do Zimbabwe.

Rosema Groon, uma das cientistas envolvidas na pesquisa, quer em Angola, quer no Zimbabwe, reconheceu o trabalho do Governo angolano na conservação da fauna e da flora.

“Esperamos que outros países, a nível da África Austral, façam trabalhos do género, para que possamos controlar a fauna e a flora da região”, afirmou.

Fonte: Jornal de Angola / mantida a grafia original

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.