Câmara de Mogi das Cruzes (SP) pede devolução de animais resgatados no Botujuru pelo Instituto Caramelo

Câmara de Mogi das Cruzes (SP) pede devolução de animais resgatados no Botujuru pelo Instituto Caramelo
Apelo foi feito em documento apresentado pelo vereador Juliano Botelho (PSB) (Reprodução/ Instagram)

O resgate dos três animais de um morador do bairro do Botujuru, promovido pelo Instituto Caramelo, foi criticada na Câmara de Mogi, em sessão realizada nesta quarta-feira (31). O assunto foi levado ao plenário pelo vereador Juliano Botelho (PSB), morador do bairro, que apresentou uma moção de apelo, aprovada por unanimidade no Legislativo, solicitando a devolução de três cães do tutor Luiz Carlos de Barros, conhecido como Ataíde.

Os animais foram removidos pela ONG no último dia 29 de maio, da rua Santo Tirolli, no Botujuru. O cachorro do morador do Botujuru e outros dois animais — que teriam sido abandonados por outros tutores e estariam sob os cuidados provisórios dele — foram levados pelo Instituto Caramelo devido a denúncias de maus-tratos.

Vereador Juliano Botelho (Divulgação)
Vereador Juliano Botelho (Divulgação)

O vereador alega, no entanto, que as delações seriam falsas, como afirmam os vizinhos de Barros, que também manifestaram solidariedade ao tutor dos animais nas redes sociais.

O recolhimento dos animais, de acordo com Botelho, foi realizado “totalmente fora da legalidade, tendo em vista que, no momento do ato, não havia sido realizado boletim de ocorrência e sequer havia denúncias realizadas em desfavor do senhor Luiz Carlos”,

No documento aprovado na Câmara, ele observa ainda que o boletim de ocorrência foi protocolado somente em 30 de maio de 2023, após moradores do Botujuru saírem em defesa de Barros nas mídias sociais.

Além da devolução dos cães, o documento solicita a retirada de vídeo postado nas páginas do Instituto Caramelo nas redes sociais. A mídia audiovisual mostra os instantes que antecederam a remoção dos pets.

Fonte: O Diário

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.