Cambé (PR) desenvolve ação para acabar com problemas de animais errantes de grande porte

Por Alexandre Sanches

A Prefeitura de Cambé (16 km de Londrina) está abrindo processo licitatório para contrtar uma empresa especializada em serviços de apreensão, manutenção e destinação de animais errantes de grande porte dentro do município. Esta ação da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente (Sama) está amparada no Código de Posturas do Município de Cambé, para promover a conscientização e, se necessário, a responsabilização dos tutores de animais quanto à segurança no trânsito.

Uma das preocupações dos animais soltos nas ruas está no fato de ser comum encontrar animais como bois e cavalos, deixados em vias públicas, terrenos baldios e margeando estradas estaduais e federais que atravessam o município, sem que os proprietários estejam próximos tomando conta dos mesmos.

De acordo com o secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Paulo Godoi, o objetivo é conscientizar os tutores e responsáveis por estes animais errantes sobre os riscos que eles oferecem para a população. “Desta forma buscamos maior segurança aos condutores de veículos automotores, além de proporcionar bem-estar aos animais, que ficarão em um local adequado onde possam ter acesso à água e comida até que sejam resgatados por seus donos ou até que seja dada uma destinação para os mesmos”, afirmou.

Ele garante que há alguns meses a Sama vem trabalhando neste projeto por se tratar de uma questão bastante complexa. “A nossa intenção é promover os encaminhamentos necessários para a breve solução do problema evitando assim os riscos oferecidos aos munícipes e também responsabilizando e penalizando os responsáveis por maus tratos com os animais que por inúmeras vezes são abandonados”, ressaltou.

A Sama alerta aos tutores e responsáveis desses animais que esta prática pode configurar em crime ambiental, ficando o infrator sujeito às penalidades legais cabíveis previstas na legislação ambiental vigente. Outras informações pode ser obtidas no telefone (43) 3174-0490.

Fonte: O Diário 

Nota do Olhar Animal: Muito preocupante a terceirização de serviços desta natureza, entregando a empresas privadas o destino dos animais, elas que se esforçam ao máximo para estabelecer práticas que reduzam seus custos. Será que um encaminhamento ético “cabe” nas planilhas? Haverá motivação para a preservação da vida e bem estar desses animais? Por que esta prefeitura não consegue manter um serviço próprio para este fim?

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.