Câmera flagra homem suspeito de dar comida com veneno a cães; veja

Câmera flagra homem suspeito de dar comida com veneno a cães; veja

Vídeo gerou confusão durante a madrugada de sábado em Sorocaba (SP). Segundo moradores, pelo menos dez animais morreram com ação.

Por Jomar Bellini

SP sorocaba foto1Um homem foi flagrado por uma câmera de segurança nesta sexta-feira (28) supostamente dando alimento com veneno para um cachorro no bairro Itanguá, na Zona Oeste de Sorocaba (SP) (veja o vídeo aqui). De acordo com os moradores, pelo menos dez animais já morreram com suspeita de envenenamento na rua Hortência Soares do Amaral. Durante a madrugada, após a divulgação do vídeo entre os tutores dos animais, uma confusão foi registrada na rua em frente à casa onde o suspeito mora.

No vídeo é possível ver que um homem se aproxima da casa e olha para as outras residências verificando se alguém estaria presenciando a ação. Em seguida, ele segue em direção a casa e joga o suposto alimento envenenado no quintal pelo buraco no portão.

A câmera de segurança que flagrou a ação do homem pertence a casa do aposentado Hamilton de Melo. Ele, que tinha dois cachorros, investiu R$ 950 para instalar o sistema de monitoramento após encontrar alimentos com chumbinho – produto irregularmente utilizado como raticida – jogados em seu quintal pela manhã e à noite. “A ideia era que o suspeito visse a câmera e parasse de jogar o veneno, mas infelizmente não consegui salvar uma das minhas cachorras. A outra nós conseguimos salvar porque ela comeu menos. A gente já suspeitava que ele jogava o veneno, mas agora temos certeza de que é ele”, afirma.

SP sorocaba foto2Os moradores se revoltaram após tomarem conhecimento do vídeo durante a madrugada e se aglomeraram na rua. A história virou caso de polícia e um boletim de ocorrência chegou a ser registrado. “É uma covardia”, diz Melo.

De acordo com os moradores, o homem teria confessado que envenenou o cachorro do aposentado, mas negou os demais casos na rua. “Ele disse que perdeu a cabeça por causa do barulho do latido dos animais, mas isso não tem justificativa. Conversar seria a melhor forma de resolver isto”, conta o metalúrgico Silverino Torres, que mora ao lado de Melo.

Segundo ele, o seu cachorro também chegou a comer um alimento envenenado na semana passada. “Vários dias nós já tínhamos pegado pão ou comida a tempo de evitarmos isto, mas da última vez ele acabou comendo um pouco. Nós o socorremos de forma caseira, mas conseguimos fazer ele sobreviver. Foi por pouco.”

A dona de casa Ana Paula Lúcia também chegou a investir R$ 1.500 em um circuito de monitoramento para tentar flagrar o responsável por envenenar o seu cachorro.

De acordo com ela, os animais foram levados para um veterinário após aparecem agonizando no quintal de casa. “Ele confirmou que os meus cachorros foram envenenados. Eu não cheguei a flagrar a ação de ninguém, mas é muita coincidência todos estes casos na mesma rua. É muito difícil porque o cachorro é parte da família, todos ficam chateados com isto”, relata.

Os moradores agora temem que novos casos de possíveis envenenamentos sejam registrados no bairro. “Eu só quero que ele pare o que esta fazendo porque não é justo. A gente se apega com muito amor aos animais”, diz a dona de casa Isabel Ferreira, ao chamar o seu cachorro, que morreu há duas semanas, de “bebê querido”.

Durante o período em que a reportagem do G1esteve no bairro Itanguá, ninguém foi encontrado para comentar o caso na casa indicada pelos moradores como sendo a residência do homem que aparece na filmagem.

O envenenamento de animais está previsto na Lei de Crimes Ambientais. O artigo 32 considera crime ambiental a prática de “ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos”. A pena prevista é detenção de três meses a um ano e multa.

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a venda ou compra de chumbinho é crime. Os sintomas típicos de intoxicação por ‘chumbinho’ ocorrem em geral em menos de 1h após a ingestão, incluindo náuseas, vômito, sudorese, sialorréia (salivação excessiva), borramento visual, contração da pupila, hipersecreção brônquica, dor abdominal, diarréia, tremores, taquicardia, entre outros. Em caso de intoxicação, a pessoa deve ligar: 0800-722-6001. A ligação é gratuita em todo território nacional.

SP sorocaba foto6

Fonte: G1 

Nota do Olhar Animal: Veja como previnir contra a repetição de envenenamentos clicando aqui.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.