Caminhão com boiada tomba e ‘fila’ se forma para ‘carnear’ animais

Caminhão com boiada tomba e ‘fila’ se forma para ‘carnear’ animais
Bois presos na gaiola de caminhão tombado na Duque de Caxias (Foto: Saul Schramm)

A avenida Duque de Caxias, no sentido Terenos/ Campo Grande está completamente interditada depois que uma carreta carregada com 30 cabeças de gado tombou. O acidente ocorreu por volta das 14h, deste domingo (18) e alguns animais morreram. Uma fila de pessoas se formou no local à espera para carnear os animais feridos e mortos.

Segundo testemunhas, o motorista do veículo levaria os animais para o frigorífico JBS. A barra de direção quebrou e o motorista perdeu o controle do veículo, que tombou em seguida.

Os animais ficaram presos na gaiola e alguns morreram. Já o motorista sofreu ferimentos leves pelo corpo e foi socorrido por moradores até a UPA (Unidade de Pronto Atendimento Comunitário) Santa Mônica.

Representantes da transportadora também estão no local para os trâmites necessários. O que chamou atenção ainda é que um grupo de pessoas está no local esperando para carnear os animais feridos e mortos.

A operação para levantar a carreta envolve quatro guinchos. A estimativa é que o trafego no local seja liberado em duas horas.

Policiais do Batalhão de Trânsito estiveram no local para atender a ocorrência. Não há congestionamento na via, pois um desvio é feito pela rotatória da BR-262.

Acidente reuniu curiosos e pessoas esperando para carnear bois (Foto: Saul Schramm)
Acidente reuniu curiosos e pessoas esperando para carnear bois (Foto: Saul Schramm)
Guincho na operação para virar caminhão e pessoas esperando para carnear os bois (Foto: Saul Schramm)
Guincho na operação para virar caminhão e pessoas esperando para carnear os bois (Foto: Saul Schramm)

Por Guilherme Henri e Kleber Clajus

Fonte: Campo Grande News


Nota do Olhar Animal: Necrófagos formam fila para esquartejar os bois mortos e até mesmo os feridos. E ninguém se apresenta para ajudar os bois vivos. Há muito caminho pela frente…

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.