Animal tomou banho em água que caía de caminhão. — Foto: Caio Giovani Zolinger Borges/Arquivo pessoal

Caminhoneiro ajuda tatu debilitado que fugia de queimada em MT e grava vídeo de animal se refrescando; veja

Um caminhoneiro ajudou um tatu que estava fugindo de uma área queimada, em uma estrada de terra próximo a Campo Novo do Parecis, a 397 km de Cuiabá, e filmou o animal se refrescando do calor. Caio Giovani Zolinger Borges pegou o animal debilitado na rodovia e deu água e alimento, na última segunda-feira (26).

Caio contou ao G1 que no momento em que viu o animal parou o caminhão no acostamento, desceu e retirou o tatu da estrada para evitar que fosse atropelado. Por causa do estado em que o animal se encontrava, o animal andava devagar e foi fácil pegá-lo.

“Quando o peguei, senti que ele me pedia algo, até mesmo socorro. Lembrei na hora de água e depois de um tempo que lembrei de filmar”, contou.

O caminhoneiro disse que tinha saído de uma fazenda, sentido Campo Novo do Parecis. Enquanto estava dirigindo na estrada de terra, o irmão dele que era o passageiro viu o tatu na beira da pista e o avisou.

Segundo Caio, a intenção era tirar o animal da pista, pois parecia que estava com dificuldades. Depois de dar água ao tatu, ele deu uma banana e colocou o animal na lateral da pista para que entrasse para a vegetação.

Ele relatou que nas viagens pelo estado presenciou várias queimadas perto das rodovias e nos campos.

O caminhoneiro, que tem 23 anos e mora em Vilhena (RO), disse que foi emocionante o que fez pelo animal. “É algo gratificante demais e que vou levar para sempre na minha vida”.

Queimadas

O estado de Mato Grosso enfrenta a pior temporada de queimadas dos últimos sete anos e falta estrutura para combater os incêndios. São tantos chamados que os bombeiros precisam escolher as ocorrências mais graves para atuar. Das 141 cidades do estado, apenas 22 têm unidades dos bombeiros.

Mato Grosso está em período crítico de queimadas. — Foto: Laércio Romão/TVCA

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.