Canil vende cães doentes em Santo André, SP

Por Natália Scarabotto

Filhotes de cachorro são vendidos doentes por moradores do bairro Utinga, em Santo André. Compradores afirmam que animais, adquiridos no Canil Pipoca, tiveram sarna, parvovirose ou cinomose e morreram em até quatro meses após a compra. Os bichos de estimação são anunciados no site OLX e no Facebook.

A enfermeira Verônica Pavan, 23, comprou um maltês de 45 dias, em dezembro, com a criadora Sandra Trad. “Ele tinha sarna e levei ao veterinário, mas não teve jeito: era caso de eutanásia. Perdi o bichinho no meio de março.” Ao entrar em contato com a vendedora, Verônica recebeu outro cachorro como ‘reposição’: um shitzu (de 60 dias) que durou sete dias. Um terceiro filhote foi oferecido depois, um maltês (de 70 dias) que também durou uma semana.

Ambos apresentaram sintomas parecidos. “Tiveram diarreia, ficaram desidratados e fracos. Levei os dois ao veterinário, mas eram muito novos para combater as doenças.”

De acordo com a enfermeira, as despesas com os três cachorros somam cerca de R$ 3.000, sendo R$ 1.300 só com a compra do primeiro animal. “Não é só o dinheiro, isso dá para conseguir de novo. Fiquei muito mal, achei que o problema era comigo, cheguei até a tomar remédio. Agora estou com dois cães saudáveis.”

Situação parecida viveu a auxiliar pessoal Lais Cristina Santos Costa, 22. Em março do ano passado, ela comprou um lhasa apso no mesmo endereço, com vendedora chamada Amanda. O animal teve parvovirose e morreu após 19 dias. “Um dia depois que comprei, a cachorrinha estava muito quieta e começou a ter diarreia. Depois, ficou com o olho lacrimejando e febre. Entrei em contato e mandaram levar ao veterinário que tem parceria com eles. Ele deu uma vacina e dois dias depois os problemas começaram de novo.”

Ao ver que o quadro do animal piorava, Lais foi em profissional que conhecia. “Fizeram exames e deu cinomose. A filhotinha queimava em febre e gemeu a noite toda.”

Na manhã seguinte, ela foi até o local para devolver o animal. “A tal da Amanda não queria aceitar porque ia contaminar os outros. Minha tia teve que brigar e pedir o dinheiro de volta”, conta Lais. O valor de R$ 1.200 foi devolvido quatro dias depois, mas o emocional ficou abalado. “O que eles fazem ali é muito cruel. Parecem uma quadrilha. Espero que aquele lugar feche”, diz.

No ano passado, Amanda também vendeu uma lhasa apso de 40 dias para a cirurgiã-dentista Carolina Mota, 24. “Ela teve mais de 30 convulsões e o veterinário indicado por eles disse que não era nada. Depois, com exames, foi confirmada cinomose.”

Na internet, o Canil Pipoca tem diversas reclamações em sites como ReclameAqui, Procon e nas avaliações da OLX.

O Diário esteve no endereço e foi recebido por Marcela Gemos, filha de Sandra. Ela afirmou não estar envolvida com o negócio e contou que o local antes era usado para vender os filhotes, mas atualmente é só uma residência. Nos fundos do quintal era possível ver cachorros escondidos atrás de uma tábua. “Vendo um cachorrinho aqui e outro ali. Mas nunca tive nada a ver com canil, isso é coisa da minha mãe”. Em sua página pessoal no Facebook, porém, há postagens de cães à venda.

Já com Sandra, o Diário falou pelo telefone. “Estou admirada de estarem reclamando para vocês porque existem Procon e Justiça. Quem veio até mim, eu resolvi os problemas.”

Doenças são muito agressivas para filhotes, afirma veterinário

As três doenças apresentadas pelos cães vendidos pelo Canil Pipoca são agressivas para os animais, principalmente quando são filhotes. Segundo o veterinário Reinaldo Alberto Perez, a entrada do vírus no corpo até a manifestação dos primeiros sintomas pode levar de 15 a 30 dias.

A parvovirose e a cinomose são transmitidas por contato direto com objetos ou fezes infectadas. Os principais sintomas da primeira doença são vômito e diarreia com sangue, enquanto a segunda afeta o sistema respiratório. “Quando diagnosticado, o animal tem que ser isolado e fazer tratamento”, diz o especialista.

Perez ressalta ainda que é importante desinfectar o ambiente onde vivia o bichinho e esperar de três a seis meses para receber outros animais. As doenças podem ser evitadas com a vacina V10.

Já a sarna é causada por ácaros que criam feridas. A doença é contagiosa e disseminada em locais sujos. Não há vacina.

Fonte: Diário do Grande ABC

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.