Cão achado com queimaduras gera campanha na web e mobiliza cidade

Cão achado com queimaduras gera campanha na web e mobiliza cidade

Além dos ferimentos, Pirata foi diagnosticado com problemas neurológicos. Animal passa por tratamento veterinário em Registro, interior de SP.

Por Rafaella Mendes

SP Registro caoqueimado

Um cachorro debilitado e gravemente ferido foi encontrado por moradores de Registro, no Vale do Ribeira, interior de São Paulo, e mobilizou a comunidade local. O animal apresenta sinais de queimaduras por todo o corpo, provavelmente provocadas por água quente ou algum produto corrosivo. Pirata, como foi batizado pelos munícipes, está sob os cuidados de uma ONG da região, que criou uma campanha para ajudá-lo.

O cão foi localizado em uma rua do bairro Bloco D, e rapidamente causou comoção, pelo estado em que se encontrava. Mesmo assustada com a situação, uma das moradoras acolheu o animal, que passou a receber comida, cuidados especiais e carinho de todos os vizinhos.

No entanto, seu estado de saúde não melhorava. A mulher, então, entrou em contato com a equipe do Grupo de Proteção aos Animais do Vale do Ribeira (GPA), que foi até o local e resgatou o Pirata.

A presidente da ONG, Márcia Colla, conta que, inicialmente, o cão rejeitava a ajuda de desconhecidos. “No começo, tivemos bastante dificuldade para retirar o Pirata do local, mas logo ele foi pegando confiança e conseguimos”, comenta.

SP Registro caoqueimado2

No mesmo dia em que foi resgatado pelo GPA, Pirata foi levado a um veterinário especialista em cachorros, que constatou, além das queimaduras, problemas neurológicos no animal.

Por conta das feridas e de uma infecção, Pirata precisou ser internado com urgência, para receber os tratamentos necessários e se recuperar. A ONG também busca pistas que levem à pessoa responsável pelos maus-tratos contra o cão, e ainda criou uma campanha na cidade e nas redes sociais para arrecadar recursos em prol de seu tratamento.“Começamos uma campanha para salvar o Pirata. Depois de se recuperar, ele poderá ser disponibilizado para adoção”, conclui Márcia.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.