Cão Joca: tutores de pets e ONGs fazem ato nos aeroportos de Guarulhos e Congonhas por justiça pela morte do golden retriever

Cão Joca: tutores de pets e ONGs fazem ato nos aeroportos de Guarulhos e Congonhas por justiça pela morte do golden retriever
Donos de animais fazem protesto no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, pedindo Justiça pelo cão Joca. — Foto: William Raphael/TV Globo

Donos de cachorros e ONGs de defesa dos animais realizam na manhã deste domingo (28) dois protestos simultâneos em memória do golden retriever Joca, que morreu na última segunda-feira (22), após ser enviado por engano pela empresa aérea Gol para um destino diferente de seu tutor.

Os protestos acontecem no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos – onde a morte foi registrada – e também no Aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo.

No ato de Guarulhos, as ONGs e donos de animais levaram seus pets para protestar contra a falta de segurança nos voos no Brasil para o transporte de animais.

VÍDEO: Aeroporto de Congonhas tem protesto após morte do cão Joca

Numa das faixas penduradas no terminal doméstico de embarque de Guarulhos, uma faixa exibe a frase “Justiça por Joca” e “Não somos bagagem, somos o amor de alguém”.

As entidades de defesa dos animais pedem que as autoridades brasileiras modifiquem as regras de transporte de bichos de estimação no país e punam severamente as empresas que violam as leis de proteção animal.

A família do engenheiro João Fantazzini Júnior, tutor do cãozinho Joca, esteve no ato e agradeceu o carinho das pessoas com a dor dele.

João Fantazzini Júnior, tutor do cão Joca, discursa no ato deste domingo (28) no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos. — Foto: Reprodução/TV Globo
João Fantazzini Júnior, tutor do cão Joca, discursa no ato deste domingo (28) no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos. — Foto: Reprodução/TV Globo

Ao discursar no protesto com um megafone, Fantazzini afirmou que espera que uma lei no Congresso Nacional normatize condições mais favoráveis de transporte de animais em todas as regiões do país.

“Precisou morrer um pra que isso acontecesse [protestos]. Por isso, tenho muita gratidão por todos que estão aqui e abraçaram essa causa comigo. Precisa ser mudado sim [as regras aéreas]. A única coisa que eu quero é que uma lei venha e que ela mude tudo isso. Porque não é justo. Eles são nossos filhos”, declarou.

Donos de animais fazem protesto no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, pedindo Justiça pelo cão Joca. — Foto: Reprodução/TV Globo
Donos de animais fazem protesto no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, pedindo Justiça pelo cão Joca. — Foto: Reprodução/TV Globo

No ato em Congonhas, donos de cãezinhos também ocuparam o terminal de embarque do aeroporto, em frente ao check in da empresa Gol, para protestar contra a morte de Joca.

Outro ato semelhante aconteceu durante a manhã deste domingo (28) no Aeroporto de Brasília, onde manifestantes também se reuniram para protestar contra a morte do cachorro Joca. O encontro foi marcado pelo Clube Golden de Brasília, por meio das redes sociais.

Protestos semelhantes aconteceram também no Aeroporto Santos Dummont, no Rio de Janeiro, neste domingo (28), e no Aeroporto Afonso Penna, em Curitiba, na manhã de sábado (27).

Manifestantes ainda se reuniram no Aeroporto Marechal Rondon, em Várzea Grande, região metropolitana de Cuiabá, no Aeroporto de Campo Grande, no Aeroporto de Porto Alegre e no Aeroporto internacional de Belém, na manhã deste domingo, em memória ao Joca.

Dezenas de pessoas se reuniram para pedir justiça em frente ao posto de embarque da Gol – empresa responsável pelo transporte do animal, que morreu em 22 de abril.

VÍDEO: Manifestantes pedem justiça pelo golden retriever Joca, no Aeroporto de Brasília

Projeto de lei Joca

As discussões no Congresso Nacional para uma futura lei Joca já começaram. Segundo o deputado federal Fernando Marangoni (União Brasil), na próxima terça-feira (30), será instaurado o grupo de trabalho na Câmara dos Deputados que irá discutir a elaboração do texto do projeto que deve regulamentar o transporte aéreo de pets no país.

Pelo menos seis deputados federais e um estadual vão participar da criação do texto que vai ser apreciado na Câmara, em regime de urgência.

No Senado Federal também já existe um pedido de participação popular para a criação de uma legislação semelhante.

Reunião na Anac

Segundo o blog da jornalista Andréa Saddi, da GloboNews, uma reunião realizada entre Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e o Ministério de Portos e Aeroportos com representantes de companhias aéreas – entre elas a Gol – definiu na sexta-feira (25) ações para melhorar o transporte de animais em porões de aeronaves.

O encontro é uma resposta à morte do cão Joca, que morreu após falha em transporte aéreo ao ser levado para o Ceará em dez do Mato Grosso em um voo da Gol.

O engenheiro João Fantazzini, tutor do golden retriever Joca, morto no transporte entre Fortaleza e Guarulhos. — Foto: Reprodução/TV Globo
O engenheiro João Fantazzini, tutor do golden retriever Joca, morto no transporte entre Fortaleza e Guarulhos. — Foto: Reprodução/TV Globo

Foram definidas 5 ações junto a representantes da Gol, Latam, Azul Linhas Aéreas e a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear):

  • Realização de audiências públicas para revisar e aprimorar o transporte de animais em voos no Brasil e no exterior;
  • Companhias se comprometeram a apresentar propostas e sugestões em até 10 dias;
  • Empresas aéreas vão estudar se é viável rastrear os animais transportados nos porões das aeronaves;
  • O Ministério vai convidar representantes do Congresso Nacional para uma reunião para coletar sugestões para melhorar o transporte aéreo de animais;
  • Em seguida, caberá ao Ministério lançar uma Política Nacional de Transporte Aéreo de Animais (na sigla PNTAA) para “garantir mais segurança e bem-estar para os animais” ainda no 1º semestre deste ano.

Ao blog, o ministro Silvio Costa Filho classificou o encontro com as companhias e representantes como “uma boa reunião”.

“A partir daí a gente consegue avançar bem e é um roteiro de trabalho que construímos no Ministério”, afirmou o ministro.

VÍDEO: Anac e Ministério de Portos e Aeroportos investigarão morte do cachorro Joca

Joca morreu na segunda-feira (22). O pet deveria ter sido levado do Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, para Sinop (MT), mas foi colocado num avião que embarcou para Fortaleza (CE).

O animal acabou sendo mandado de volta para Guarulhos e, quando o tutor chegou para encontrá-lo, o cão estava morto.

Há vídeos que mostram o cachorro bebendo água em uma garrafa de plástico através das grades do canil quando estava no terminal aéreo de Fortaleza, segundo o divulgado pela família do tutor do animal.

Ao g1, a família do engenheiro João Fantazzini Júnior – tutor do animal – afirmou que etiquetas da caixa que levava cão Joca tinham nome de outro animal com destino a Manaus, no Amazonas.

A Polícia Civil de São Paulo investiga o caso no âmbito criminal, enquanto a Anac e o Ministério de Aeroportos também fazem apurações do caso no âmbito da responsabilização da empresa.

João Fantazzini e Joca, cão que morreu em transporte aéreo da Gol — Foto: Arquivo pessoal
João Fantazzini e Joca, cão que morreu em transporte aéreo da Gol — Foto: Arquivo pessoal

Por meio de nota, a Gol lamentou a morte do pet e admitiu que o animal foi enviado por engano para Fortaleza, ao invés de Sinop, no Mato Grosso. A cia aérea afirmou que os funcionários foram “surpreendidos pelo falecimento do animal”.

“A GOL lamenta profundamente o ocorrido com o cão Joca e se solidariza com a dor do seu tutor. A Companhia informa que o cão Joca deveria ter seguido para Sinop (OPS), no voo 1480 do dia 22/04, a partir de Guarulhos (GRU), porém, por uma falha operacional o animal foi embarcado em um voo para Fortaleza (FOR)”, afirmou.

“A equipe da GOLLOG na capital cearense desembarcou o Joca e se encarregou de cuidar dele até o embarque no voo 1527 de volta para Guarulhos (GRU). Neste período, foram enviados para o tutor registros do Joca sendo acomodado de volta na aeronave. Infelizmente, logo após o pouso do voo no aeroporto de Guarulhos (GRU), vindo de Fortaleza, fomos surpreendidos pelo falecimento do animal”, declarou.

VÍDEO: Cachorro morre durante transporte de companhia aérea

Após a morte do golden retriever, a Gol também anunciou a suspensão do transporte aéreo de animais no porão a partir desta quarta-feira (24).

Segundo o comunicado da companhia aérea, os clientes ainda podem transportar seus pets na cabine do avião.

No período, os clientes que já contrataram o serviço de transporte pelo porão pela GOLLOG Animais podem pedir a restituição do valor total ou postergar a viagem.

“Para os Clientes que contrataram o transporte do seu pet entre 24/04/24 a 23/05/24 por meio dos serviços que estão com restrição, poderão optar por restituição total do valor, inclusive do valor da sua passagem (no caso de Dog&Cat + Espaço), ou por postergar a viagem, sem custo, para depois de 23/05/24 em voos até 31/12/2024. Aqueles Clientes que se encontram no destino de sua viagem e possuem um dos serviços restritos contratados para a volta serão atendidos se assim desejarem. As equipes de aeroportos da GOL estarão à disposição para dúvidas ou através da central de atendimento pelo 0800 704 0465”, disse o comunicado da empresa.

Íntegra da nota da Gol

“A GOL lamenta profundamente o ocorrido com o cão Joca e se solidariza com a dor do seu tutor. A Companhia informa que o cão Joca deveria ter seguido para Sinop (OPS), no voo 1480 do dia 22/04, a partir de Guarulhos (GRU), porém, por uma falha operacional o animal foi embarcado em um voo para Fortaleza (FOR).

Assim que o tutor chegou em Sinop, foi notificado sobre o ocorrido e sua escolha foi voltar para Guarulhos (GRU) para reencontrar o Joca.

A equipe da GOLLOG na capital cearense desembarcou o Joca e se encarregou de cuidar dele até o embarque no voo 1527 de volta para Guarulhos (GRU). Neste período, foram enviados para o tutor registros do Joca sendo acomodado de volta na aeronave. Infelizmente, logo após o pouso do voo no aeroporto de Guarulhos (GRU), vindo de Fortaleza, fomos surpreendidos pelo falecimento do animal”.

Fonte: g1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.