Cão ‘Preto’ volta para casa após ser resgatado em rodovia pela PRF no RS

Cão ‘Preto’ volta para casa após ser resgatado em rodovia pela PRF no RS
Paulo Ricardo reencontra Preto, após cão ser resgatado pela PRF (Foto: Divulgação/PRF)

Após horas de agonia, o advogado Paulo Ricardo Ennes Marques, de 57 anos, finalmente, reencontrou Preto, seu cão de estimação. O vira-lata, que caminhava pela BR-116 em Canoas, na Região Metropolitana do Rio Grande do Sul, foi resgatado pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) na madrugada de quinta-feira (8).

O cachorro havia fugido de casa, no bairro Niterói em Canoas, na noite anterior. A família, que recolheu o cão da rua há três anos, assistia à final da Copa do Brasil quando deu falta de Preto.

“Ele fugiu um pouco antes de começar o jogo. Meu pai foi guardar o carro na garagem e a gente acha que foi nesse momento que o Preto escapou”, conta a publicitária Anelise Ennes Marques, de 27 anos, filha de Paulo.

A família acredita que o barulho dos fogos de artifício, motivados pela partida de futebol, tenham assustado o cão. Segundo Anelise, houve um encontro de dezenas de torcedores na esquina de casa por causa do jogo.

“Tava tendo muito barulho de fogos. Eles [os cães] ficam muito desnorteados”, nota a jovem.

Em meio à partida, Anelise pediu para o pai procurar o cachorro na rua. Minutos depois, nada. A jovem começou a ficar preocupada. Depois que o jogo terminou, Paulo decidiu pegar o carro e sair pelo bairro atrás do animal novamente. Quase duas horas depois, voltou para casa com uma notícia preocupante: Preto havia sumido de vez.

“Nosso medo era que ele fosse parar na BR. O risco de ele ser atropelado foi muito grande, eu já estava dando ele como perdido para sempre”, lembra Anelise, que mora a duas quadras da rodovia federal.

Anelise se diverte ao lado de Preto em Canoas (Foto: Anelise Ennes/Arquivo Pessoal)
Anelise se diverte ao lado de Preto em Canoas (Foto: Anelise Ennes/Arquivo Pessoal)

Reencontro

Sem muita esperança, a jovem decidiu publicar fotos do cão no seu perfil em uma rede social, descrevendo as principais características do animal adotado: preto, peludo, de porte grande, dócil. A postagem teve mais de 100 compartilhamentos. “Meus amigos foram incriveis”, comemora Anelise.

Além de Preto, a família tem outras duas cadelas adotadas, a Titi e a Dona. Anelise conta que Dona já até se machucou tentando pular um muro por medo dos fogos. De tão apavorada, continuou correndo pelo pátio, mesmo estando cortada.

A PRF teve a mesma ideia, e também divulgou imagens do animal resgatado. Foi então que um amigo de Anelise, na tarde de quinta-feira, teve acesso às duas fotos e, após compará-las, deu-se conta de que se tratava do mesmo cachorro. “Ele me marcou na foto que um policial tinha postado, e aí eu vi que era o Preto. Aí meu pai foi buscar”, explica.

“Nos preocupamos tanto com ela no dia do jogo, que não cuidamos tanto do Preto. Para ela, o barulho de jogo já é assustador porque ela sabe que vem os fogos depois. Ela já associa”, conclui Anelise.

Na virada do ano, a família inclusive precisa dar calmantes à cadela. Neste caso, um veterinário deve ser procurado para avaliar a necessidade da medicação, ou sugerir alternativas.

Por Joyce Heurich

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.