Cão que se alimentou do corpo do tutor ia ser abatido, mas pode ser libertado

Cão que se alimentou do corpo do tutor ia ser abatido, mas pode ser libertado
Foto: Reuters

Foi em setembro de 2014 que o caso começou. Butch, um cão de raça Staffordshire bull terrier, agora com dez anos, devorou parcialmente o corpo do tutor. O tutor morreu e o animal estaria já há quatro dias sem comida e água quando foi encontrado. Com o corpo particularmente afetado, não foi possível determinar a causa da morte.

O cão estaria agitado e com um comportamento agressivo para com os agentes quando foi levado para o canil da polícia, recorda o Daily Mail. Terá começado aí a batalha legal que até hoje ainda se prolonga.

Um especialista das autoridades locais decidiu mais tarde que o animal era perigoso e, em abril do ano passado, um tribunal de Liverpool decidiu que o animal seria abatido, uma decisão que conta com o apoio da família do tutor.

O The Senior Staffy Club, um grupo de ativistas, pediu a revisão do caso, alegando que o comportamento do animal foi “natural”, tendo em conta as circunstâncias, ou seja, como estava há vários dias sem que lhe dessem comida e bebida, devorar o corpo do tutor foi uma questão de sobrevivência.

O pedido de revisão foi aceite e o caso irá continuar agora em tribunal. Entretanto, o animal continua no canil da polícia de Merseyside.

Fonte: Notícias ao Minuto / mantida a grafia lusitana original


Nota do Olhar Animal: Mais uma vez estupidamente se atribui uma responsabilidade aos animais que, obviamente, não a tem. Os que querem assassinar o cão esperam comportamentos morais que jamais podem ser esperados de um animal não humano, atitude que mais uma vez mostra, ao invés de um desejo por justiça, uma patológica sede de vingança. Quem deve um comportamento moral são os humanos, reconhecendo os direitos dos animais não humanos, como o direito à vida. Mas estes são negados aos bichos.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.