Cão se recupera após ser adotado e maltratado em Itapetininga

Cão se recupera após ser adotado e maltratado em Itapetininga

Yuri foi abandonado ainda filhote e acolhido por protetores de animais. Após quatro meses em ONG, foi adotado e depois precisou ser resgatado.

SP itapetininga fotor0818125013

Um cachorro de oito meses já foi abandonado e precisou ser resgatado duas vezes em Itapetininga (SP). Yuri foi abandonado ainda filhote e acolhido pela União Internacional Protetora dos Animais (Uipa) na cidade. Após quatro meses foi adotado por uma família, mas em menos de três precisou ser resgatado novamente.

De acordo com a presidente da Uipa, Graziela Leonel, quatro meses depois da adoção, o cachorro estava magro e com sarna em estágio avançado. Segundo ela, o estado de saúde do cão era crítico. “Ele saiu daqui muito bem cuidado e voltou outro. Ele não tinha mais pelos no corpo de tanta coceira, estava magro, mas ao mesmo tempo estava inchando.” 

O tratamento para a nova recuperação tem sido intenso para que o cachorro volte a ter uma vida normal. “O Yuri segue com o tratamento, com remédios e banhos especiais. Agora ele não será mais colocado para adoção. O problema é que abala psicologicamente o animal, e ele acreditava que tinha um e lar foi maltratado”, esclarece.

A família que adotou o Yuri passou pelo processo de adoção como todos os adotantes na Uipa. “Notamos que a família tinha condições financeiras suficiente para arcar com cuidados veterinários. Eu não sei como ele pode ficar nesse estado, como não perceberam que ele estava mal”.

A presidente da instituição explica que para uma pessoa adotar um animal na Uipa existe um processo burocrático. “Primeiro a pessoa vem aqui na unidade e escolhe o animal, depois entregamos a ela um termo de responsabilidade. Em seguida fazemos uma visita à casa do candidato para saber as condições do ambiente e averiguar se toda a família está de acordo. Somente após esse processo, a pessoa assina o termo e leva o bichinho para casa.”

No termo de responsabilidade há artigos sobre os cuidados que o adotando precisa tomar com o animal. “Ele precisa garantir que o cachorro se mantenha saudável, bem alimentado e que viva em um local limpo e protegido da chuva ou sol e do frio. Além disso, o animal não pode viver preso em coleiras”, explica Graziela.

SP itapetininga yuri hoje 2

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.