Capivara é encontrada com ferimentos na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio

Capivara é encontrada com ferimentos na Lagoa Rodrigo de Freitas, no Rio
Armando foi encontrado com um ferimento nas costas. Reprodução / Arquivo Pessoal

Uma capivara foi encontrada ferida, na manhã deste domingo (16), na Lagoa Rodrigo de Freitas, Zona Sul do Rio. O animal, nomeado como Armando, está com um machucado nas costas.

De acordo com o biólogo Mario Moscatelli, há dois anos, eram oito capivaras: Armando, Margarida e outros seis filhotes. “De lá para cá, desse grupo sete desapareceram ou apareceram mortos, sobrando apenas o macho Armando. Aí chegaram recentemente a Judith e o Boris. Infelizmente temos observado ferimentos frequentes no Armando e na Judith, mas o Armando é o que está se apresentando mais ferido”, afirmou.

O biólogo destacou ainda, que as capivaras, caranguejos e aves locais são um importante atrativo econômico e ambiental da Lagoa e por isso, precisam de um cuidado especial. “O importante, o essencial, o básico é que esse importante ativo econômico ambiental da fauna da Lagoa tenha um acompanhamento permanente por conta de algum especialista. Nada demais, apenas gestão. Precisamos aprender a tirar um proveito positivo do que o ambiente da cidade do Rio tem de melhor, que é a sua fauna e flora.”, ressaltou.

A Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Clima (SMAC) informou que uma equipe da Patrulha Ambiental vai retirar o animal e levá-lo para o Centro de Recuperação de Animais Silvestres, no Estácio, região central do Rio.

Para Moscatelli, as capivaras são animais que não apresentam perigo desde que não se sintam ameaçadas. “A Secretaria Estadual de Ambiente doou material e cercas, que foram instaladas em alguns trechos onde é mais comum encontrá-las, visando evitar incidentes com cães que circulam ao redor da Lagoa sem guia”, afirmou o biólogo. Ele acredita que o ferimento encontrado no animal seja uma mordida.

Morte da Margarida

Em março deste ano, a capivara foi encontrada morta na Lagoa Rodrigo de Freitas. Uma equipe da Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) retirou o corpo do mangue durante limpeza do local. Segundo Moscatelli, comerciantes locais informaram que o animal foi apedrejado. Nestas circunstâncias, a capivara entra no mangue para fugir, mas, ferida, acaba morrendo afogada. Mário disse que Margarida já tinha sido vítima de pedradas em um outro episódio.

Por Roberta Sampaio

Fonte: O Dia

Manejo não letal de capivaras

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.