Carcaça de baleia surge em praia do litoral de SP

Carcaça de baleia surge em praia do litoral de SP
Carcaça em decomposição foi encontrada em praia de Ilha Comprida, SP (Foto: G1 Santos)

Uma baleia, de espécie ainda não confirmada, foi encontrada encalhada e morta em uma praia de Ilha Comprida, no litoral de São Paulo, na manhã desta segunda-feira (3). O animal estava dividido em duas partes e chamou a atenção de banhistas.

A carcaça foi localizada na orla do Balneário Portugal. Em avançado estado de decomposição, ela estava dividida em dois pedaços, sendo que o maior, com aproximadamente 10 metros, boiava na parte rasa do mar, e o menor, também decomposto, estava na faixa de areia.

Por volta das 8h, equipes da prefeitura e do Instituto de Pesquisas Cananéia (IPeC) foram ao local. Ao G1, a coordenadora do instituto, Daniela Ferro de Godoy, afirmou que ainda não há como determinar a espécie do animal.

“Na verdade, ali, havia apenas um grande pedaço de carne, em um estado tido como o último da decomposição. Se ao menos ainda houvesse a parte do crânio, poderíamos identificar a família, mas isso não foi possível”, explica.

Carcaça em decomposição foi encontrada em praia de Ilha Comprida, SP (Foto: Sara Bragança/IPeC)

De acordo com Daniela, foram coletadas amostras da gordura dos fragmentos encontrados. Elas serão submetidas a exames de DNA, que vão auxiliar na identificação da espécie. Não há prazo para que saia o resultado.

“Há a possibilidade de que seja uma espécie costeira, que não faz migração, que fica só por aqui. Mas é difícil falar sobre o que se viu. Só a partir dos resultados dos exames é que poderemos traçar um estudo detalhado”, diz.

Segundo a Prefeitura de Ilha Comprida, já foi feito contato com técnicos do Instituto Florestal, da Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Sul e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), para obter orientações sobre o correto destino da carcaça da baleia. Ela deverá ser enterrada em área determinada pelos órgãos ambientais e, futuramente, a ossada poderá ser desenterrada e utilizada no Museu Ambiental Marinho, em Ilha Comprida.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.