Carcará passa por procedimento em Uberaba (MG) e é a primeira ave da espécie no Brasil a receber prótese de bico

Carcará passa por procedimento em Uberaba (MG) e é a primeira ave da espécie no Brasil a receber prótese de bico
Carcará é o primeiro da espécie a receber uma prótese de bico. — Foto: Reprodução/TV Integração

Uma ave carcará em Uberaba foi a primeira da espécie no Brasil a receber uma prótese de bico feita com resina plástica. A criação foi desenvolvida pelo professor e médico veterinário Cláudio Yudi, junto com alunos do curso de Medicina Veterinária da Universidade de Uberaba (Uniube).

Apelidado de José, o carcará foi resgatado sem o bico superior pela Polícia Militar (PM) de Meio Ambiente e levado ao Hospital Veterinário de Uberaba (HVU). Segundo Cláudio Yudi, a perda do bico possivelmente foi causada por atropelamento, porque ela vive próximo às rodovias para se alimentar, principalmente à procura de carcaças de outros animais silvestres também vítimas de atropelamentos.

Cinco especialistas em diversas áreas da Medicina Veterinária participaram do projeto para ao desenvolvimento e aplicação da prótese. A grande dificuldade para a equipe foi encontrar uma maneira eficaz e duradoura de a prótese ficar bem aderida à região cicatrizada do bico superior porque, como a ave utiliza o bico para dilacerar pedaços de carne com a extremidade do bico, a força é muito grande nesta região.

“Tivemos duas grandes dificuldades: a primeira, produzir o bico; a segunda, encaixar essa prótese no local que ficou. Demoramos um ano para fazer isso e agora colocamos. Participaram da cirurgia diversos veterinários e também tivemos ajuda de dentistas”, explicou Yudi, coordenador do HVU.

Bico foi feito com resina plástica e parafusos de titânio. — Foto: Reprodução/TV Integração

Antes da cirurgia, foram produzidos modelos para o bico resina plástica na parte que havia sobrado, além de diversos estudos sobre anestesia, comportamento animal, técnicas cirúrgicas e de implantes.

“Optamos por um parafuso de titânio, que é de uso odontológico e usado para enxerto em humanos. Ele é bem pequeno, tem 1,5 milímetro. Fixamos o parafuso e, ao redor dele, colocamos resina odontológica para dar uma estabilidade maior para o bico”, contou a veterinária Thaís Vendramini.

Depois de passar por vários exames, “José” está em adaptação no Setor de Animais Silvestres do HVU.

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.