Casal processa açougueiro por abate acidental de porcas de estimação da família

Casal processa açougueiro por abate acidental de porcas de estimação da família
Família possui rancho no condado de Kitsap, nos Estados Unidos — Foto: Facebook/Reprodução

Apelidadas de Patty e Betty, animais foram adotados ainda bebês, em 2022, pela família. O caso aconteceu em Port Orchard, em Washington, nos Estados Unidos Nathan e Natalie Gray, residentes de Port Orchard, Washington, estão movendo uma ação judicial contra um açougueiro local após ele, inadvertidamente, abater as porcas de estimação de suas filhas no mês passado.

As porcas, carinhosamente chamadas de Patty e Betty, foram adotadas em 2022 e desde então faziam parte da vida diária das crianças. Além de Patty e Betty, a família Gray também cuida de vários outros animais, incluindo gatos, cachorros, patos e galinhas, em seu rancho.

“Elas sempre estavam correndo e brincando na lama. Não foram criadas para serem abatidas”, afirmou Natalie Gray à King5, uma afiliada local da NBC. No Facebook, Natalie compartilhou algumas fotos das porcas, mostrando os momentos felizes com os animais.

Jonathan Hines, o açougueiro envolvido no incidente, explicou ao The Washington Post que foi contratado para capturar e abater dois porcos na área. Ao encontrar as porcas da família Gray, ele acreditou que fossem os animais mencionados pelo cliente e as abateu com um rifle.

Quando Nathan Gray chegou ao local e viu o que havia acontecido, ficou furioso. Nesse momento, Hines percebeu que havia confundido os endereços. “Eu não sabia o que fazer. Fiquei meio em choque”, disse Hines. De acordo com o jornal, a ocorrência foi relatada à polícia local e o caso foi encaminhado ao Ministério Público.

Nathan expressou sua indignação: “Eles nem bateram na porta. Estou incrédulo e com raiva. Não há nada que proíba alguém de entrar na minha propriedade e fazer isso [matar meu animal] sem minha permissão”, afirmou.

A família Gray decidiu contratar um advogado para levar o caso à Justiça. Eles esperam estabelecer regras mais rígidas para a realização de abates em propriedades privadas, exigindo a presença do proprietário durante o procedimento, independentemente da espécie do animal. O objetivo é evitar que situações semelhantes ocorram novamente.

Por Ana Gusmão

Fonte: Compre Rural


Nota do Olhar Animal: “Não foram criadas para serem abatidas (as porcas)”. E os porcos que foram criados para serem abatidos sofrem menos? Perdem menos de suas vidas quando estas lhes são roubadas? Essa frase espelha bem o egoísmo de boa parte das pessoas, que pensa em proteger apenas os animais com os quais mantêm laços afetivos, os que satisfazem suas necessidades emocionais, ignorando o dano imposto a todos os demais.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.