Casal que andou 80 km para não perder cachorros precisa de ajuda em Votuporanga, SP

Casal que andou 80 km para não perder cachorros precisa de ajuda em Votuporanga, SP
Casal vive com os cachorros Paçoca e Milady em um barracão após serem rejeitados no albergue (Foto: Arquivo Pessoal)

Depois de percorrerem 82 quilômetros a pé de Rio Preto a Votuporanga, no início do mês, o casal Carlos Barbato e Renata (Lenon Vinicius de Souza) está em busca de ajuda para começar a construir uma vida a dois, ou melhor, a quatro, na cidade. Sem desgrudar dos dois cães vira-latas, que consideram da família, os dois esperam por oportunidades para poder começar a trabalhar e alugar um pequeno imóvel.

“Foi prometido para o Carlos começar a trabalhar como padeiro na próxima semana, mas até receber não dá pra pagar o primeiro aluguel”, disse Alexandra, prima deles. Já Renata está aguardando ser inserida em um projeto da prefeitura. “Arrumamos um cômodo por R$350. Está ótimo para eu, meu marido e nossos dois cachorros, mas está difícil este dinheiro”, contou Renata, que também aceita doações em espécie e rações para os bichinhos.

“Eles já ganharam muitos móveis, só falta sofá e guarda-roupas, que estão guardados aqui em casa”, disse a prima. A família está morando desde a terça-feira, 14, em Votuporanga. Depois de uma caminhada de seis dias passando por cidades e distritos após serem impedidos de embarcar no ônibus com os dois cachorros vira-latas, Paçoca e Milady, o casal se estabeleceu na cidade, que fica a 82 km de Rio Preto, em um barracão abandonado no bairro Boa Vista.

Ao chegarem em Votuporanga, os dois procuraram por Alexandra, que lhes oferece diariamente banho e refeições, mas para dormir eles se aconchegaram no barracão. “Eu não gosto de cachorro dentro de casa e eles só dormem com os cachorros juntos, por isso preferiram ficar no barracão”, conta a prima. Antes de se instalar no local, o casal tentou uma vaga no albergue da cidade, mas também foi recusada por causa dos cachorros.

Fonte: Diário da Região (Colaborou Arthur Avila)

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.