Caso de animal que teve orelhas decepadas gera revolta em Araguari, MG

Caso de animal que teve orelhas decepadas gera revolta em Araguari, MG

Registros de maus tratos contam com o apoio da 4ª Delegacia Regional de Polícia Civil

MG Araguari orelha cortada 1 O último caso de maus-tratos contra animal causou revolta em usuários de rede social. Os voluntários da Aproama (Associação de Proteção aos Animais e Meio Ambiente), Gina Debs e Marco Sales manifestaram indignação através da página da entidade.

Conforme relatado pelos protetores em entrevista ao Jornal Gazeta do Triângulo, um cão de apenas três meses de idade teve as orelhas cortadas e a cauda parcialmente danificada.

O animal foi encontrado por um jovem e encaminhado aos cuidados veterinários. Há aproximadamente vinte dias, o filhote permanece internado para tratamentos relativos a infecção.

A protetora Gina Debs descreve como tudo aconteceu. “Toddynho foi abandonado sem qualquer tipo de socorro. Depois de algum tempo se arrastando em busca de água e comida pelo acostamento de uma avenida foi resgatado e levado para a Clínica Bello Cão. Chegou muito mal, com as orelhas tomadas por bicheira e parte do rabinho perfurado. Foram feitos procedimentos urgentes. Graças a Deus, devido aos cuidados e o carinho de todos da clínica, ele se recupera bem”, descreveu.

Sobre o assunto de maus-tratos, Marco Sales alerta a respeito da importância das pessoas denunciarem qualquer tipo de violência contra animais. “Conclamamos a população araguarina para que todos fiquem atentos aos vizinhos e moradores próximos de suas casas. Ao detectarem algum tipo de atitude suspeita em relação ao manuseio/tratos com cães, que nos denunciem imediatamente. Precisamos coibir esse tipo de covardia em nossa cidade”, conscientizou.

Como ajudar o animal

Qualquer colaboração pode ser feita na clínica Bello Cão, onde o animal está internado. Contato por telefone: (34) 3242-3268 (Cristina). Denúncias sobre maus tratos devem ser realizadas através do telefone: (34) 3246 7912 (Aproama).

Apoio da Polícia Civil

Conforme informações, devido à situação de abandono em que o cão foi encontrado, é impossível identificar o autor dos atos cruéis. Representantes da Aproama disseram ter solicitado o apoio, o qual foi prontamente aceito pela chefe da 4ª Delegacia Regional de Polícia Civil, Mary Simone Reis.

“É de extrema importância que cheguemos aos autores dessas horríveis práticas de transformarem cães para parecerem de outras raças. A nossa luta é para que estas pessoas sejam penalizadas e processadas na forma da lei. Sabemos que a lei brasileira é fraca, mas contamos com a valiosa e diligente colaboração da Dra. Mary Simone, garantindo que os autores sofram as devidas sanções que lhes couberem”, ressaltou Gina Debs.

Fonte: Gazeta do Triângulo

MAIS NOTICIAS

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.