Castração gratuita de cães e gatos é retomada em Florianópolis, SC

Castração gratuita de cães e gatos é retomada em Florianópolis, SC
Para ter acesso à castração gratuita é preciso apresentar documento de identidade (Foto: Petra Mafalda/PMF/Arquivo)

Pelo menos 510 cães e gatos serão castrados pela equipe da Diretoria de Bem-Estar Animal (Dibea) até o fim do mês de maio. A ação foi retomada em fevereiro, quando passou pelos bairros Abraão e Serrinha, fazendo a cirurgia em 80 animais. Nos próximos meses, os bairros atendidos serão Campeche, Ingleses, Vila Aparecida, Morro da Descoberta (Maciço do Morro da Cruz), Tapera, Rio Tavares, Morro do Quilombo, Jardim Atlântico e Rio Vermelho.

A Dibea tem caminhão próprio para o transporte dos cães e gatos e os leva e traz a pontos específicos anunciados previamente. Quem faz o cadastramento e a organização do processo são voluntários que atuam na comunidade que será visitada pelas equipes.

Apesar de o processo de castração ser rápido – a cirurgia dura menos de meia hora – os voluntários recolhem os patudos, os levam até a Dibea, onde é realizada a operação, e só no dia seguinte eles são devolvidos aos donos ou responsáveis. São priorizados cães e gatos que têm proprietários, porque, após o procedimento cirúrgico, eles precisam ser observados por um responsável durante uma semana.

As ações previstas até maio já tiveram seus cães e gatos cadastrados pelos voluntários que atuam nos bairros contemplados. Quem não for beneficiado nesses mutirões deve procurar o Bem-Estar Animal para agendamento das cirurgias – neste caso, a diretoria atende nas segundas e sextas-feiras.

Para ter acesso à castração gratuita é preciso apresentar documento de identidade, que será usado para cadastro como dono do animal, comprovante de residência em Florianópolis e comprovante de renda familiar de até dois salários mínimos.

Voluntariado

Há muitas formas de ser voluntário e ajudar o Bem-Estar Animal a cuidar dos cães e gatos que vivem em Florianópolis – principalmente aqueles em situação de rua. Segundo Fabiana Bast, diretora da Dibea, as ações vão desde a doação de alimentos e remédios, limpeza dos canis e gatil, monitoramento dos animais em campo, entre outros.

“Os voluntários são fundamentais para nos ajudar no controle populacional e na saúde pública”, afirma Fabiana. Para participar, é necessário ir à Dibea e participar de uma entrevista em que será verificada a disponibilidade de atuação do interessado. Atualmente há um cadastro atualizado de 60 voluntários.

As informaçòes são da Assessoria de Comunicaçào da Prefeitura da Capital.

Fonte: De Olho na Ilha 

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.