CastraMóvel não está circulando em Uberaba (MG) por causa da pandemia, diz secretário

CastraMóvel não está circulando em Uberaba (MG) por causa da pandemia, diz secretário
O CastraMóvel foi adquirido no mês passado e está estacionado na Secretaria de Saúde para não gerar aglomeração de pessoas, segundo o secretário Iraci Neto (Foto/Divulgação Supra)

O melhor amigo do homem tem sido visto cada vez mais nas ruas. De acordo com informações da Sociedade Protetora dos animais de Uberaba (Supra), a população de animais de rua só cresce. E, com a pandemia do novo coronavírus, não é muito difícil sair pela cidade e se deparar com alguns deles pelas calçadas.

Para combater essa crescente demanda, no mês passado, o município adquiriu um CastraMóvel com recursos liberados pelo Ministério Público de Minas Gerais, mas que ainda não pode ser utilizado.

De acordo com o secretário de Saúde, Iraci de Souza Neto, o serviço ainda não está disponível na sua totalidade devido ao período de pandemia, uma vez que estão suspensas as cirurgias eletivas. Ele explica que o CastraMóvel é um ambulatório itinerante de pequenas cirurgias de castração e, por trazer a possibilidade de aglomeração de pessoas, o que contribui para a possibilidade de transmissão do vírus, o veículo ficará na Secretaria de Saúde. 

“Enquanto perdurar a pandemia a SMS vai intensificar o planejamento da operação do CastraMóvel, como contratação de profissionais, implementação de materiais e insumos necessários, treinamento e capacitação em parceria do Hospital Veterinário, dentre outras ações. A previsão é que em meados de setembro/outubro o veículo esteja nas ruas, mas ressalto que depende da situação epidemiológica do município”.

Questionado sobre como o controle de manejo populacional de cães e gatos será realizado enquanto o CastraMóvel não entra em ação, o município aponta, por nota enviada pela assessoria de comunicação, que o serviço está suspenso.

“O Programa de Manejo Populacional de Cães e Gatos foi desenvolvido pela Secretaria Municipal de Saúde, visando beneficiar os animais e diversas famílias que não possuem recursos para promover a esterilização de seus animais, garantindo maior qualidade de vida e redução de risco de doenças infecto-contagiosas. Está suspenso devido à pandemia da Covid-19. Em 2019, como amplamente divulgado, foram realizadas em torno de 400 castrações, esse ano seria em torno de 600 no início em março, mas pela pandemia foi suspenso”.   

A Supra lamenta a situação. “Compreendemos que o momento é de se resguardar e esperamos que tão logo esse momento seja atravessado possamos promover o controle de animais em Uberaba”, comenta uma das voluntárias. Ela ainda destaca que, independentemente da ação municipal, é necessário que a população tenha consciência que abandonar um animal é crime. 

Atualmente, abandono e maus tratos a animais são considerados pela lei como crimes de menor potencial ofensivo, com pena de três meses a um ano. “E a lei vale para todos criador, protetor, médico-veterinário ou detentor de animal. Muita gente fala que está cuidando, mas em verdade está sendo violento com o animal e em casos assim é necessário que as pessoas denunciem”.  

Denúncias

A Prefeitura Municipal de Uberaba efetuou 557 notificações extrajudiciais para apurar denúncias de maus-tratos contra animais no ano de 2019. Foram 229 diligências para apuração das denúncias no período. As informações são da Superintendência Municipal de Bem-Estar Animal em balanço dos trabalhos desenvolvidos em 2019.

A superintende do Bem-Estar Animal, informa que denúncias de maus-tratos podem ser feitas na Superintendência localizada no Centro Administrativo da Prefeitura de Uberaba na Avenida Luiz Maria de Santana, 141 – Mercês, de segunda à sexta-feira das 8 às 18 horas ou através do telefone 3318-0218.

São considerados maus tratos casos de abandono; envenenamento; mutilação; agressão física; animais mantidos presos em correntes ou cordas curtas; mantidos em espaço incompatível com seu porte; mantidos em local sem iluminação, ventilação ou limpeza; expostos às variações climáticas e anti-higiênico; expostos a esforço ou carga excessiva; animais debilitados sujeitos ao trabalho, entre outros.

 Por Michelle Rosa

Fonte: JM Online

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.