Cativeiro de pássaros silvestres é fechado no Floramar, em BH

Cativeiro de pássaros silvestres é fechado no Floramar, em BH

Suspeito de comercializar os animais não foi encontrado, mas será intimado a prestar depoimento.

Por Camila Kifer

Um cativeiro de pássaros silvestres foi fechado pela Polícia Civil na manhã desta sexta-feira (2) no bairro Floramar, na região Nordeste de Belo Horizonte. O suspeito de comercializar os animais não foi encontrado. Caso ele não apareça, a Polícia Civil irá intimá-lo a prestar depoimento.

O cumprimento do mandado de prisão e apreensão foi expedido após meses de investigação. Nesta sexta, policiais da Divisão do Meio Ambiente da Polícia Civil foram até a casa do suspeito, que não teve o nome divulgado, e encontrou parte dos 71 pássaros apreendidos na ação.

Segundo informou a Polícia Civil, muitos desses animais estavam sem alimentação e sem água dentro das gaiolas. Dentro de uma delas, um passarinho foi encontrado morto.

Foram apreendidos 68 pássaros da espécie curió, um canário da terra, um canário gloster, e um pintassilgo. Além dos animais, foram apreendidas 13 gaiolas de ferro, 14 de madeira, 18 carregadores de madeira para transporte das aves e diversas caixas de papelão para o mesmo fim.

A Polícia Civil identificou que os animais eram vendidos em uma casa de ração do mesmo bairro, onde parte dos animais foram encontrados e que pertence ao suspeito.

Por meio de sua assessoria de imprensa, a Polícia Civil alegou não ser possível dizer ainda por qual crime o suspeito irá responder, uma vez que as investigações ainda estão em andamento.

Pelo interior

Dois homens de 44 e 47 anos foram presos ao serem parados em uma blitz na MGC-122, em Espinosa, na região Norte de Minas Gerais, nessa quinta-feira (1º), e serem flagrados com 494 pássaros da fauna silvestre dentro do veículo em que estavam.

Foram apreendidos 18 carregadores com 216 cardeais, 104 coleirinhos, 98 pintassilgos, 60 trinca-ferros, 08 sanhaços e 08 cravinas vermelhos.

Fonte: O Tempo

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.