Cavalo da Polícia Militar morre eletrocutado no centro de São Paulo

Cavalo da Polícia Militar morre eletrocutado no centro de São Paulo

Um cavalo da Polícia Militar morreu eletrocutado durante um patrulhamento na praça da República, no centro de São Paulo. O animal, chamado Conhaque, encostou em uma tampa de metal energizada e não resistiu à descarga elétrica.

Na região da praça, a fiação é subterrânea e o acesso é feito por meio de ponto na calçada. Algumas das tampas escondem até geradores elétricos. Segundo a cabo Lúcia, agente da PM responsável pelo animal, estava chovendo quando o acidente ocorreu e a patrulha estava buscando abrigo.

Segundo a PM, o uso de cavalos é uma estratégia para maior precisão no patrulhamento preventivo e para melhor visualização dos policiais. O choque que matou Conhaque também poderia ser fatal para uma pessoa.

De acordo com o engenheiro eletricista Marcos Rosa dos Santos, os equipamentos metálicos precisam estar isolados da rede elétrica e devidamente aterrados. Ainda segundo o engenheiro, o que causou o acidente foi provavelmente um cabo desencapado em contato com a tampa de metal.

Marcos conta que no carnaval a atenção deve ser redobrada. “É preferível andar pela calçada, evitando as caixas de metal, e usar calçados com solado de borracha. Caso presencie alguém levando uma descarga elétrica, use uma madeira ou borracha para afastar a vítima da fonte de energia, não toque diretamente na pessoa de forma alguma”, orienta.

Em nota, a Prefeitura de São Paulo afirmou que o local do acidente é de responsabilidade da ENEL e que fiscaliza diariamente aproximadamente 45 mil postes.

Já a ENEL contou que o cabo da rede do serviço municipal de iluminação pública estava desencapado e que os cabos de responsabilidade da empresa estavam dentro do padrão. A empresa acrescentou que, dada a proximidade com o carnaval, está realizando inspeções nos pontos estratégicos de maior concentração popular.

Fonte: R7 (com informações da Record TV)


Nota do Olhar Animal: A tempos chamamos a atenção para o uso e abuso de animais por forças de segurança. Entre eles, os cavalos, expostos com frequência a situações de conflito e, portanto, de risco para sua integridade. Além de ficarem sujeitos a outros fatores ambientais (como um fio desencapado), que não deveria representar perigo considerando que o animal nem deveria estar ali. O uso de animais por polícias, forças armadas, etc., é mais uma forma de exploração dos animais a ser combatida, aliás algo bastante anacrônico, medieval.

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.