Cavalo desmaia de cansaço ao passear turistas em carruagem

Cavalo desmaia de cansaço ao passear turistas em carruagem
Atividade turística está a ser fortemente questionada depois de mais um incidente a envolver animais (Fotos: Dr)

Um cavalo que puxava uma carruagem com dezenas de turistas, em Charlestone, nos EUA, caiu inanimado no meio da estrada. As imagens do incidente deixaram a comunidade local em alerta e já foi solicitado um estudo para determinar a segurança dos animais neste tipo de atividade.

As imagens foram captadas na passada quarta-feira mas só agora atingiram visibilidade internacional. Big John é um dos vários cavalos que diariamente percorrem as ruas de Charleston, na Carolina do Sul, transportando dezenas de turistas numa carruagem.

A atividade, que não é exclusiva desta cidade, há muito que é questionada por ambientalistas e instituições que defendem os direitos dos animais. O peso das carruagens e o intenso calor a que os animais estão sujeitos, assim como a má alimentação, motivam várias críticas.

No vídeo que circula nas redes sociais, pode ver-se o animal no chão, deitado, sem se mexer. Enquanto o cavalo não se levanta, são várias as pessoas que o tentam auxiliar. Finalmente, já com a intervenção dos bombeiros, Big John levanta-se e é aplaudido.

A empresa responsável pela atividade afirma que o cavalo caiu por tropeçar e que apenas sofreu pequenos ferimentos. No entanto, em declarações à NBC, uma testemunha garante que o animal caiu devido ao cansaço e ao calor que se fazia sentir naquele dia. “Qualquer pessoa com um bocadinho de coração compreende que estas atividades não são corretas”, disse Elizabeth Fort.

Uma posição semelhante à da Charlston Animal Society, que defende este tipo de situações e de atividades devem ser analisadas. “Está na altura de um estudo independente e cientifico para saber se o Big John e outros cavalos estão a trabalhar num ambiente seguro”, escreveram numa publicação no Facebook.

Fonte: Jornal de Notícias / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.