Cavalo é resgatado de maus-tratos e morre dois dias depois, em Taquari, RS

Cavalo é resgatado de maus-tratos e morre dois dias depois, em Taquari, RS

No feriado de 7 de setembro, por volta das 10h, a Brigada Militar e Grupo Salvadores, com apoio da prefeitura, foi até o bairro Prado averiguar uma denúncia anônima de maus tratos contra um cavalo.

De acordo com a ocorrência registrada na Delegacia de Polícia de Taquari, por Tiago Rodrigues da Silva, presidente dos Salvadores, grupo de proteção contra maus tratos contra animais, um homem de 37 anos teria um cavalo no bairro Prado e este animal estaria sendo agredido com chutes e pisoteado na cabeça, além de mal alimentado. Conforme a ocorrência, quando a Brigada Militar e Silva chegaram no local encontraram o animal deitado no chão, machucado e desabrigado.
O dono do animal disse à polícia que comprou o cavalo há cerca de um ano e que, em agosto, comprou uma ração granulada, diferente da que comprava antes. A partir de então, o animal, segundo o acusado, teria ficado debilitado.

Animal acabou morrendo

Em entrevista a O Fato Novo, o presidente do Grupo Salvadores, Tiago Rodrigues da Silva, disse que acompanhava a situação há cerca de um ano. Que já havia conversado com o dono do cavalo, pois ele já havia sido denunciado. “Ele utilizava o animal para catar materiais recicláveis. A relação nunca foi boa com o dono, um dia sua mulher me esperou com uma pedra na mão”.

Conforme Silva, eles foram até a propriedade do acusado no dia 7 porque pessoas teriam visto o animal no chão e o homem batendo nele com um pau. “O cavalo não se levantou e tivemos que tirar ele do local com uma retroescavadeira da prefeitura e levar para uma casa de passagem. Isso aconteceu na sexta, ele foi medicado, mas no domingo acabou morrendo”. Silva registrou criminalmente contra o dono do cavalo e terá uma audiência em outubro. Conforme o Código Penal brasileiro, maus tratos contra animais é crime e a pena pode ser de quatro anos de reclusão ou multa.

Fonte: O Fato Novo

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.