Cavalos estão sendo abatidos brutalmente por causa de sua carne? Você pode ajudar a acabar com isso (PETIÇÃO)

Cavalos estão sendo abatidos brutalmente por causa de sua carne? Você pode ajudar a acabar com isso (PETIÇÃO)
Foto: dezi/Shutterstock

A luta para acabar com a live animal export é comum em lugares como a Austrália, onde os navios são regularmente lotados com vacas vivas que suportam viagens longas e cansativas para outros países, onde elas serão abatidas brutalmente. Não é a primeira vez que se ouve isso nos Estados Unidos, ainda que atividades semelhantes ocorram nesse país o tempo todo. Lá, porém, é mais frequente que seja o cavalo a ficar com o lado mais fraco da corda.

A Humane Society of the United States (HSUS) estima que 130.000 cavalos americanos são enviados para o México e o Canadá todo ano a fim de serem abatidos para o consumo humano. Assim como as vacas na Austrália, eles  “sofrem frequentemente longas jornadas para as plantas de abate, sem alimentação adequada, água ou descanso”. A HSUS explica que, uma vez no matadouro, os cavalos são brutalmente forçados a entrar em uma “caixa de matança” e atingidos na cabeça com uma pistola de êmbolo retrátil na tentativa de atordoá-los antes do abate. Este é um destino horrível de suportar.

Esses cavalos têm origens distintas. Alguns são cavalos puro sangue de corrida  que já pararam de vencer as provas. Outros foram cruelmente rejeitados por seus tutores por serem velhos. Muitos, no entanto, são cavalos selvagens, ou pelo menos eles eram antes de ser capturados por funcionários do governo – geralmente do Bureau of Land Management (BLM) – usando helicópteros de baixa altitude e recebendo muito dinheiro dos contribuintes (mesmo nem sempre sendo lícito).

A liberdade é arrancada desses corações selvagens para abrir caminho para o desenvolvimento comercial – ou porque as pessoas queixaram-se de que os cavalos estavam destruindo as propriedades privadas. Eles também são vitimados porque os fazendeiros são contra a pequena parcela de terras públicas que os cavalos selvagens ocupam atualmente, a qual a indústria sente que deveria ser reservada somente para o gado de pasto. Este programa federal de cavalo selvagem custa aos contribuintes da área US$ 80 milhões de dólares por ano.

Uma vez capturados, os equinos são enviados para casas de leilão, onde posteriormente são vendidos para o matadouro que oferece a licitação mais elevada. Alguns podem ser salvos por cidadãos conscientes ou santuários interessados e, até o momento, uma alma corajosa e afortunada é conhecida por ter escapado por conta própria. A maioria, no entanto, continua a experimentar a brutalidade de ser exportada viva e abatida, até as éguas prenhes.

Recentemente, alguns legisladores federais, incluindo os representantes Buchanan, Schakowsky, Royce e Grisham, introduziram legislação para acabar com a exportação de cavalo para abate no exterior e também proibir as operações de abate de cavalos de serem implantadas nos Estados Unidos. Batizado de Safeguard American Food Exports (SAFE) Act, H.R. 113, a HSUS explica que a finalidade deste ato também seria proteger os consumidores da carne perigosa de cavalo americano, que pode ser tóxica para os seres humanos devido à administração não regulamentada de drogas para cavalos. Os cavalos também recebem rotineiramente centenas de drogas tóxicas de tratamentos químicos ao longo de suas vidas, como eles não são criados para alimento como os outros animais.

O fato é que a maioria dos americanos se opõe à matança e ao consumo de carne de cavalo, mas isso está sendo ignorado pela legislação. Ofereça seu apoio assinando esta petição no site Care2 a fim de convencer todos os membros do Congresso a seguirem em frente e assinarem o Ato H.R. 113: o ato seguro – para os cavalos e para a saúde humana.

Por Kim Smith / Tradução de Elisângela Gomes da Silva

Fonte: One Green Planet 


Nota do Olhar Animal: Cessar o abuso e sofrimento imposto aos cavalo se dará não com o fim da exportação de animais vivos e sim com o fim do consumo.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.