CCJ aprova projeto que proíbe “foie gras” no Paraná

O projeto que proíbe a produção e o comércio do “foie gras”, uma iguaria da culinária francesa, em território paranaense foi aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), nesta quarta-feira (23), na Assembleia Legislativa. O autor do projeto (506/13), deputado estadual Rasca Rodrigues (PV), justificou a proibição porque o método utilizado para se obter o “foie gras” – conhecido como “gavage” – é extremamente cruel aos animais (gansos e patos). 

Segundo Rasca, o método “gavage” consiste em superalimentar as aves durante 17 dias seguidos com um funil, com mais de 40 cm, forçando a entrada de cereais e gordura por meio do esôfago das aves. Esse processo faz com que o fígado das aves aumente em média sete vezes em relação ao seu tamanho normal, sendo que muitas aves não aguentam e morrem durante o tratamento.

“O objetivo do ‘gavage’ é o lucro a custa da crueldade aos animais. Esse método provoca graves deformações nos corpos das aves, isto é, somos contra esse método e consequentemente ao ‘foie gras’, que já é proibido em vários países e atende apenas o paladar de alguns abastados”, afirmou Rasca.

Segundo o parlamentar, a proposta visa atingir principalmente o comércio da iguaria, já que no Paraná não há registro de produção, apenas comercialização. “Estudos apontaram que essa iguaria causa sobrecarga ao sistema hepático na ingestão humana, devido à gordura em demasia. Ou seja, é um prato que é prejudicial tanto às aves quanto aos seres humanos”, completou. Agora, o projeto irá para votação em plenário e, caso aprovado, à sanção do Governo do Estado.

Proibição

O “foie gras” é proibido em 22 países, entre os quais, Argentina, Áustria, República Tcheca, Dinamarca, Finlândia, Alemanha, Irlanda, Israel, Noruega, Suécia, Suiça, Holanda, Reino Unido e até mesmo na Polônia, um dos maiores produtores mundiais. O estado da Califórnia, no EUA, também proibiu a iguaria. No Brasil, existe um projeto de Lei na Câmara Municipal de São Paulo com o mesmo intuito.

Fonte: Paranashop

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.