Censura: organizadores proíbem ativistas filmarem no Waikato Rodeo, na Nova Zelândia

Censura: organizadores proíbem ativistas filmarem no Waikato Rodeo, na Nova Zelândia

Confrontos entre ativistas dos direitos dos animais e fãs ameaçam esquentar no Waikato Rodeo deste ano.

Os organizadores estão fazendo tudo ao seu alcance para evitar cenas semelhantes àquelas que ocorreram perto de Whangarei no início deste mês e estão implementando “procedimentos”.

Mas o presidente do Waikato Rodeo, Wayne Raymond, se recusou a explicar quais seriam.

No entanto, ele confirmou que a proibição de dispositivos de filmagem de alta potência, vistos no Mid Northern Rodeo, permanecerá, embora as pessoas possam filmar e tirar fotos com smartphones.

Os manifestantes no Mid Northern Rodeo afirmaram que foram empurrados e ameaçados por fãs de rodeio que se opuseram à filmagem do evento.

Os organizadores do Waikato Rodeo proibiram o uso de câmeras de alta potência por medo de que as filmagens sejam usadas. – Fotos: Christel Yardley / Stuff

Cerca de 3500 a 4000 pessoas devem comparecer ao Waikato Rodeo em 16 de fevereiro, no Kihikihi Domain. O evento apresentará os melhores cowboys e cowgirls de todo o país e alguns dos melhores cavalos e touros da Nova Zelândia.

É o capítulo mais recente de um conflito de longa data: ativistas dos direitos dos animais acreditam que os rodeios são cruéis e devem ser proibidos, enquanto os vaqueiros e as vaqueiras vivem pelo desafio e estilo de vida que os acompanham.

Raymond temia que os ativistas publiquem cenas fora de contexto.

“Não é que não queremos que as pessoas tirem fotos e se divirtam, é só que os ativistas são unilaterais e não mostrarão o nosso lado da história por aí.”

Um clube de vídeo local recebeu permissão para documentar o evento, disse ele.

Ele rejeitou as alegações de que as restrições de filmagem estavam em vigor porque o rodeio estava tentando esconder imagens. O Waikato Rodeo ofereceu a chance de levar os espectadores aos bastidores dos cowboys e cowgirls se preparando para o evento.

O evento terá um veterinário, bem como inspetores do MPI e SPCA no local.

“Somos muito bem governados, bastante examinados e completamente observados.

“Estou muito confortável com o que minha equipe colocou em prática e com o código de bem-estar animal que seguimos. Infelizmente, às vezes não podemos evitar um incidente, mas certamente temos muitas coisas em prática para evitar o máximo possível.”

Apollo Taito, da Direct Animal Action, disse que os organizadores do rodeio estavam se contradizendo com a proibição de filmar.

“A suposição é que manifestantes ou ativistas dos animais editem ou alterem as filmagens de uma forma não favorável. Não precisamos fazer isso e, se quisermos usá-las como evidência para o MPI, não podem estar alteradas ou editadas de maneira alguma “.

Ele confirmou que eles iriam protestar contra o rodeio deste ano.

“Estaremos do lado de fora da entrada principal com o nosso pessoal e nossos cartazes, pedindo a proibição dos rodeios e para o governo trabalhista cumprir suas promessas pré-eleitorais de proibir os piores componentes dos rodeios”.

A porta-voz da Anti Rodeo Action, Lyn Charlton, disse que a organização ainda estava pensando em seus planos para o Waikato Rodeo. Se tudo fosse tão aberto quanto Raymond afirmou, não deveria haver problemas se o grupo filmasse a ação.

“Também disponibilizaremos todas as filmagens, todas as fotografias que tirarmos e no final do rodeio eles poderão ter uma cópia de tudo. Podem colocar seu próprio fotógrafo sentado conosco se quiserem fazer isso. ”

Ela disse que o público teve que considerar por que os clubes de rodeio queriam tentar impedir que filmagens fossem feitas.

Por Gerald Piddock / Tradução de  Alda Lima

Fonte: Stuff

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.