Centro de Castração de Içara (SC) será reaberto dia 19

Centro de Castração de Içara (SC) será reaberto dia 19

Depois de três meses fechado, em virtude do furto ocorrido em fevereiro, o Centro de Castração Francisco de Assis, da Administração de Içara, voltará a funcionar a partir da próxima segunda-feira (19).

De acordo com a médica veterinária e responsável técnica Mariah Freitas, todas as licenças e equipamentos já chegaram e o local está pronto novamente para receber os animais. “Nessa semana estamos finalizando todos os detalhes para voltar a ativa. Castraremos em média 120 animais por mês, atendendo primeiro os animais que já estavam agendados na lista de espera”, enfatizou. Em breve, o agendamento para novos procedimentos será liberado e um novo telefone será divulgado.

Único local do Sul do Estado a realizar o procedimento de forma gratuita para animais de rua, o Centro de Castração colabora diretamente com a saúde pública içarense. “O Centro tem como função específica o controle populacional de animais. A estimativa é que em dois anos o número de animais nas ruas diminua consideravelmente”, disse o prefeito Murialdo canto Gastaldon.

O Centro

O espaço, localizado nas dependências do Horto Municipal, na Segunda Linha, oferece atendimento para os animais em dias diversificados. “Na segunda-feira, o atendimento é exclusivo para os animais de rua; na terça-feira, a castração será de animais de agricultores; na quarta-feira, o local será aberto as Organizações não Governamentais (ONGS) registradas na cidade; na quinta-feira os registrados do Cadastro Único (Cad); já a sexta-feira, será de expediente interno e liberação dos animais de rua, que devem ficar internados ao longo da semana”, salientou a médica veterinária.

O procedimento é feito sem custo nos animais abandonados. Já para os agricultores, é cobrada uma taxa simbólica de R$30,00 O Centro conta com o apoio das secretarias de Agricultura e de Saúde.

Fonte: Criciúma News

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.