Centro de Zoonoses de Catanduva (SP) tem 70 animais para adoção

Dos 70 animais, nove são gatos que poderiam transmitir doenças e que foram tratados.

O Centro de Zoonoses de Catanduva possui em suas dependências 70 animais para adoção. A maioria dos ‘moradores’ são cães. Sete são gatos que foram tirados da rua com risco de transmitir doenças e que foram tratados.

Esse é apenas um pequeno número se comparado com tantos outros animais encontrados nas ruas e que são recolhidos por Organizações Não Governamentais (ONG) da cidade.

As redes sociais tem sido ferramenta para que integrantes das ONGs que protegem os animais divulguem fotos de cães e gatos abandonados e que precisam de um lar.

No Centro de Zoonose, o morador de Catanduva que pretende adotar um animal, somente precisa apresentar o RG, um comprovante de residência e escolher o animal para adoção.

O órgão orienta que somente faz a recolha de animais que possui potencial de transmissão de doenças. No local são tratados, castrados, vermifugados e vão para adoção.

A Prefeitura afirma que não tem como precisar a quantidade de animais que perambulam pelas ruas da cidade. Isso porque, muitos animais que vivem nas ruas também são tratados por moradores, chamados de animais comunitários.

As Ongs fazem o trabalho. inclusive quando há denúncia de maus tratos a animais. Em muitos casos, os cães e gatos são retirados dos locais que são mau cuidados e colocados a adoção responsável.

Castração

A Prefeitura de Catanduva afirmou que mantém parceria com clínicas particulares para a castração dos animais. O trabalho é feito principalmente para famílias que não possuem condições de pagar pela operação. Evitando, inclusive, o aumento populacional de cães e gatos, que poderiam ser abandonados.
Neste ano, conforme informou a Prefeitura, foram realizadas 50 castrações.

Maus-tratos

Um dos casos que chamou a atenção da cidade em 2013 foi o abandono de três cães em um terreno baldio no Gloria VI.

Segundo assessoria de comunicação da Prefeitura, os cães estavam em um lugar sujo e inadequado para a vida animal. “O local estava cheio de comida pelo chão, com um odor muito forte. Não tínhamos como permitir que os cachorros ficassem no local”, explica o responsável pelo setor.

Com a autorização do proprietário do terreno, os agentes do Zoonoses entraram e retiraram os cães. Em seguida, foi feito um Boletim de Ocorrência por Crueldade Animal. O tutor dos cachorros não foi encontrado para prestar depoimento. Eles foram levados para o Centro de Zoonoses, onde foram castrados, vermifugados e microchipados (chip de identificação do animal). Também receberam vacinas.

Fonte: O Regional

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.