Cerca de 90 animais resgatados nas ilhas já foram castrados em Porto Alegre, RS

Cerca de 90 animais resgatados nas ilhas já foram castrados em Porto Alegre, RS

Por Ari Teixeira

RS animais resgatados castrados

A Unidade de Medicina Veterinária (UMV) da Secretaria Especial dos Direitos Animais (Seda) aproveitou o intervalo sem chuvas para intensificar o atendimento aos 320 animais resgatados nas ilhas de Porto Alegre. Os procedimentos de castração foram iniciados e aproximadamente 90 já estão em recuperação. Segundo o médico veterinário Franco Vicentini, serão necessários cerca de 10 dias para a conclusão das cirurgias, não contando com o período pós operatório.

A ação exigiu um esforço extra de trabalho para a equipe, já que a média semanal de cirurgias de castração é de 90 animais, não contabilizando outros procedimentos, como tumores ou hérnias. Do total de cães resgatados, aproximadamente 45 eram esterilizados. De acordo com a avaliação clínica, a maioria está em bom estado de saúde. E todos foram vacinados e desverminados. Vicentini também destaca a recepção positiva  dos moradores das ilhas à atuação da equipe da Seda. 

Alguns chegaram a avisar não deixariam seus lares, mesmo inundados, antes da chegada das unidades móveis do Bicho Amigo. “Em meio àquela tragédia, onde as pessoas perderam tudo, móveis, eletrodomésticos, roupas, alimentos, carros, suas próprias casas, o desespero e desesperança era grande”, explica Franco. “Assim, embora a ação fosse basicamente destinada aos animais, a fragilidade das pessoas também nos permeou o tempo inteiro e tocou muito”, afirma.

Entre os animais resgatados, a grande maioria deverá retornar a seus tutores. Apenas alguns filhotes abandonados em caixas embaixo do ônibus de resgate e poucos cães e gatos adultos deverão ser encaminhados para as feiras do Programa Me Adota? da Seda. Na próxima semana, como não existem mais vagas para internação, a UMV só prestará atendimento clínico de emergência.

Fonte: Prefeitura de Porto Alegre

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.