Chácara onde 33 pit bulls foram achados com sinais de maus-tratos é de ex-modelo e empresária

Chácara onde 33 pit bulls foram achados com sinais de maus-tratos é de ex-modelo e empresária
Ex-modelo é dona de chácara e de cães que foram encontrados em Itu — Foto: Ariane Flores/TV TEM - Reprodução/Facebook

Os 33 cães da raça pit bull resgatados em situação de maus-tratos, em Itu (SP), eram da ex-modelo e empresária da cidade Paula Sacchi, que também é dona chácara de onde os animais foram retirados e levados para ONGs. A informação foi confirmada à TV TEM pelo advogado de defesa dela, Wilson Muscari.

Segundo Wilson, a empresária alega que havia alugado o espaço para um peruano que foi preso durante a operação contra rinha internacional de cães, em Mairiporã (SP), mas que não sabia que os animais estavam em situação de maus-tratos.

Ainda segundo o advogado, a ex-modelo tentará recuperá-los e transformar a área em um abrigo.

Paula é descendente de italianos e viveu por 16 anos na Itália. Atualmente, ela é proprietária de um restaurante especializado em comida italiana na cidade.

De acordo com a Polícia Civil, o caso continua sendo investigado e a empresária será ouvida na delegacia nos próximos dias.

Cães foram resgatados de chácara em Itu. — Foto: Reprodução/TV TEM

17 horas de resgate

Os animais foram retirados por representantes de ONGs da capital e do interior na terça-feira (17), após 17 horas de força-tarefa. Os voluntários também levaram galinhas, bodes, cabritos e cavalos que estavam na chácara.

Os cães serão castrados, vermifugados, vacinados e os mais debilitados passarão por exames. Depois de recuperados, todos ficarão em quarentena para que os veterinários observem o comportamento antes da adoção.

A fiel depositária dos cães é a ONG Associação Vida Animal, que distribuiu os 33 animais em lares temporários da região. Eles estão em São Roque, Campinas, Mairinque, Mairiporã, Peruíbe, Itu e São Paulo.

Vídeo: Cães resgatados em situação de maus-tratos eram de empresária de Itu.

Maus-tratos

Anabolizantes, medicamentos, uma esteira adaptada para treinamentos e até uma piscina usada para o condicionamento dos cães foram encontrados na chácara em Itu.

De acordo com a polícia, há indícios de que os cachorros eram alimentados com restos de outros animais silvestres, que também eram criados na propriedade, como bodes e gambás.

Vídeos mostram que os cães ficavam espalhados e acorrentados em espaços separados. Quando a polícia chegou ao local, eles estavam magros, doentes e com fome. Como algumas casinhas estavam vazias, a polícia suspeita que os animais estavam sendo retirados do local.

Os policiais que participaram da operação não têm duvidas de que os cães viviam em condições de maus-tratos e eram usados em rinhas, segundo o investigador Bruno Ceccolini.

“Observamos que havia animais trancafiados no fundo, muito doentes, animais com cicatrizes recentes, que são sinais de que eles haviam brigado. Observamos uma estrutura de alvenaria, que é uma rinha”, explicou.

Chácara com 33 pit bulls no interior de SP tinha esteira, anabolizantes, piscina e espaço para treinamento
Chácara em Itu tinha anabolizantes, esteira e rinha. — Foto: Reprodução/TV TEM

Investigação

A defesa do peruano não foi localizada para falar sobre o caso. No entanto, segundo a investigação, ele estava entre os 41 presos no fim de semana.

O suspeito e outras 39 pessoas foram ouvidos e liberados e vão responder em liberdade por associação criminosa, maus-tratos a animais e jogo de azar. Só o organizador da rinha continuava preso. A pena para esses crimes pode passar de cinco anos de prisão.

Imagens de câmeras de segurança devem ajudar a polícia na investigação sobre a movimentação no endereço.

Em nota enviada à TV TEM, a prefeitura afirmou que o local não tem registro para funcionamento. A defesa do peruano não foi localizada para falar sobre o caso.

Foto: Polícia Civil do Paraná/Divulgação
Foto: Polícia Civil do Paraná/Divulgação

Por Carlos Dias 

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.