Chinesa atacada por tigre segue internada em estado grave

Chinesa atacada por tigre segue internada em estado grave

Duas mulheres foram atacadas no Beijing Badaling Wildlife, na China. A mãe, que saiu do carro para tentar salvar a filha, morreu.

A chinesa que foi atacada por um tigre em um zoológico de Pequim, seguia internada em estado grave, informou o jornal “South China Morning Post” nesta terça-feira (26).

O zoológico Beijing Badaling Wildlife permite que os visitantes circulem de carro, mas os proíbem a deixar o veículo. No sábado (23), a mulher saiu do carro em meio ao passeio. Ela foi atacada por um tigre e ficou gravemente ferida. A mãe dela, ao tentar salvá-la, acabou sendo morta por um outro animal.

O zoológico fica perto da Grande Muralha e cerca de 60 quilômetros do centro de Pequim.

Em um vídeo divulgado por jornais chineses, a mulher sai do veículo para falar com seu marido, que estava conduzindo o carro, até que é atacada por um tigre que a arrasta para longe do automóvel.

Do veículo saem também o motorista e uma mulher de 57 anos, a mãe da vítima, que correm em direção ao tigre e a mulher. Não é possível ver no vídeo a mãe sendo atacada.

Inicialmente, agências internacionais disseram que a mulher que foi morta pelo tigre era amiga da primeira a deixar o carro e que ficou apenas ferida. Posteriormente, as autoridades do distrito de Yanqing, onde está localizado o parque, confirmaram que se tratava da mãe.

O jornal publica declarações de uma porta-voz do Comitê de Arborização de Yanqing, assegurando que a mulher ferida ignorou os avisos de uma patrulha do parque, que lhe ordenava voltar ao veículo, antes de ser agredida pelo felino.

Além disso, a porta-voz informou que o parque tem vários avisos visuais e sonoros que lembram os visitantes a proibição de sair dos veículos e abrir as janelas, e que todos que visitam o parque assinam um documento onde aceitam a obedecer estas normas.

Em 2014, um guarda do mesmo parque também foi ataque e morto por um tigre.

Fonte: G1

Mais notícias

{module [427]}

{module [425]}

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.