Cinco tartarugas-de-couro foram encontradas mortas desde o início de dezembro em praias de Maricá — Foto: Divulgação/Internauta

Cinco tartarugas são encontradas mortas no litoral de Maricá, RJ, em menos de 20 dias

Cinco tartarugas-de-couro foram encontradas mortas desde o início de dezembro em praias de Maricá (RJ), sendo que três desses casos aconteceram nesta semana, na segunda-feira (16), quarta (18) e quinta (19).

Os dois primeiros casos aconteceram no início do mês em Itaipuaçu, na altura do Recanto. No dia 16, os moradores da praia da Barra de Maricá encontraram a terceira tartaruga. Os dois últimos casos foram registrados na praia de Jaconé.

Segundo biólogos do Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), essa espécie está criticamente ameaçada de extinção no Brasil com poucas fêmeas em sua principal área de desova localizada no norte do Espírito Santo.

Ainda segundo os biólogos, as tartarugas marinhas estão passando por temporada reprodutiva e ficam mais próximas da costa, o que torna a espécie mais susceptível aos perigos provenientes das atividades humanas, como encalhe em redes, colisão com embarcações e ingestão de sacolas plásticas.

Espécie está criticamente ameaçada de extinção no Brasil com poucas fêmeas em sua principal área de desova — Foto: Divulgação/Internauta
Espécie está criticamente ameaçada de extinção no Brasil com poucas fêmeas em sua principal área de desova — Foto: Divulgação/Internauta

O laudo da necrópsia realizada na tartaruga-de-couro encontrada morta no primeiro dia do mês na praia de Itaipuaçu apontou como possível causa da morte um quadro de insuficiência respiratória, causada por afogamento, além de infecção bacteriana no trato digestivo.

A insuficiência respiratória neste caso, de acordo com biólogos, pode ser resultado da interação com a pesca, já que as nadadeiras do animal apresentaram marcas sugestivas de interação com redes de encalhe.

Segundo o PMP-BS, o exame feito nos outros animais mortos ainda está em análise.

Por Thainá Vidal, G1 — Maricá

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.