Cipoma destrói rinhas de canários em Passira, PE

Cipoma destrói rinhas de canários em Passira, PE

Além do cativeiro, o sofrimento. As pessoas ainda não se conscientizaram que ter pássaros (aves silvestres) em gaiolas é crime. E pior, tem quem o faça, para submetê-los a brigas sanguinárias, que terminam com aves depenadas, feridas e até cegas. Acredite, como se não bastassem as clandestinas  brigas de galo, há, também, brigas de canários.

Esta semana, a Companhia Independente de Policiamento do Meio Ambiente (Cipoma) desbaratou uma rinha de canários-da-terra, na localidade de Pedra Tapada, no município de Passira, a 100 quilômetros do Recife. Ali, foram encontrados 73 canários-da-terra, gaiolas, cumbucas e dois pares de rinhas que foram destruídos pelos policiais.

Policiais do Cipoma destroem rinha de canários na localidade de Pedra Tapada, em Passira, no Agreste de Pernambuco. (Fotos: Divulgação/Cipoma/Cprh)

Os envolvidos foram levados para a Delegacia de Limoeiro, onde foram lavrados Termos Circunstanciais de Ocorrência (TCOs) contra os donos da rinha. A ação contou com apoio de equipes da 6ª CIPM (Companhia Independente de Polícia Militar), sediada em Limoeiro, e do Grupo de Apoio Tático Itinerante (GATI). Os canários já estão no Centro de Triagem de Aninais Silvestres de Pernambuco (Cetas Tangara), da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), que fica na Guabiraba, Zona Norte do Recife.

Além dos canários, foram apreendidas 291 outras aves em ações diversas, inclusive nas feiras do Cordeiro e Linha do Tiro, no Recife. Ou seja, em apenas um final de semana, foram encontradas 364 aves em situação irregular, vítimas do tráfico de animais. Entre as aves apreendidas, encontram-se galos de campina, azulões, canários-da-terra, sanhaçus, bigodes, papa-capins, cordas-negra, tico-ticos, guriatãs. E até dois pintores-verdadeiro (Tangara fastuosa), ave ameaçada de extinção. Do total de 364 aves encaminhadas ao Cetas, só dois (pica-paus) foram por entrega voluntária. O resto estava em feiras, rinhas e mercado.

Por Letícia Lins

Fonte: Oxe Recife

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.