Circos com animais selvagens logo poderão ser coisa do passado na Escócia

Circos com animais selvagens logo poderão ser coisa do passado na Escócia

Por Liz Tyson / Tradução de Alice Wehrle Gomide

Escocia animais de circo

No dia 26 de junho, o governo escocês divulgou os resultados de sua consulta pública sobre o uso de animais selvagens em circos. A consulta, que ocorreu durante o ano passado, perguntou ao público escocês se eles gostariam de ver uma proibição do uso de animais selvagens como leões, tigres, elefantes e camelos em circos.

A resposta foi um decisivo “Sim”, com 98% das respostas pedindo o fim desta arcaica e antiga forma de exploração animal de uma vez por todas. Em resposta aos resultados, o Secretário do Meio-Ambiente da Escócia, Richard Lochhead, disse que, devido ao enorme apoio pela proibição, “Eu agora estou considerando o melhor jeito de levar isso adiante e irei definir nossos planos em breve”.

O que a liberdade pode significar aos animais na Escócia

Se a Escócia agir e implementar a legislação para proibir a prática, isso a tornará o primeiro país do Reino Unido a fazer isso. Apesar das promessas feitas pela Inglaterra há mais de três anos, de que uma proibição seria implementada antes do final deste ano. Os ativistas na Inglaterra dizem que ainda estão esperando que o governo cumpra sua promessa. Enquanto isso, os animais continuam sendo usados nos circos.

“O governo de Westminster anunciou em 2012 que iria introduzir uma proibição aos animais selvagens em circos itinerantes, mas desde então o processo está parado”, Adam Roberts, CEO da Born Free Foundation, disse ao One Green Planet. “Muitas pessoas viram essa ótima notícia três anos atrás e acreditaram que a proibição já estaria ativa agora, mas, na realidade, nenhum dos países do Reino Unido – Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte – tomou ações decisivas sobre esse assunto. Nós sinceramente esperamos que, se a Escócia der o primeiro passo, os países vizinhos seguirão”.

Especialistas dizem que, pela sua natureza, circos itinerantes simplesmente não conseguem atender às necessidades diversas e complexas dos animais selvagens utilizados em seus shows. Em um circo itinerante, animais que naturalmente cobrem enormes terrenos na selva estão confinados a trailers conhecidos como “vagões das feras”. Elefantes são acorrentados pelas pernas e coagidos a fazerem truques não naturais usando ganchos de metal afiados chamados de “bullhooks”; um instrumento que já foi banido em muitas cidades e condados ao redor dos EUA devido à preocupação com o bem-estar animal. Animais como leões-marinhos, que podem mergulhar até 250 metros nas expedições de pesca em seu habitat natural, são confinados em minúsculas piscinas, mais adequadas para uma festa infantil.

Ao redor do mundo, 23 países já implementaram a proibição, total ou parcial, dessa prática e dezenas de proibições municipais estão em vigor nos EUA. Mas, enquanto os animais continuam nos circos, a luta pela liberdade deles continua. Na Escócia, ativistas animais continuam determinados.

“A Escócia não possui nenhum circo permanente usando animais selvagens e queremos que continue assim”, disse Libby Anderson, Diretora Política do grupo ativista baseado na Escócia, OneKind. “Sem a proibição desses entretenimentos, a porta simplesmente fica aberta para que eles entrem aqui a qualquer momento. Nós pedimos ao governo escocês que reflita sobre as atitudes éticas modernas para com os animais e a enorme vontade do público, e proíba circos com animais selvagens sem demora”. 

O que você pode fazer

Todos nós podemos ajudar a acabar com o uso de animais em circos através da recusa de comparecer a esses eventos que exploram animais dessa forma. Se você quer se envolver mais, por que não procurar uma campanha local e ser mais ativo na sua comunidade? Saiba mais sobre esta importante campanha acessando http://www.bornfree.org.uk/campaigns/zoo-check/circuses-performing-animals/uk-circuses/.

Fonte: One Green Planet

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.