Clínica acusada por morte de cadelas nega que seja hotel pet e diz que ataque ocorreu na casa de proprietária: ‘favor pessoal’

Clínica acusada por morte de cadelas nega que seja hotel pet e diz que ataque ocorreu na casa de proprietária: ‘favor pessoal’
Animais chegaram no veterinário com vários ferimentos, sem dentes e um dos olhos para fora — Foto: Arquivo pessoal

A clínica veterinária Doce Patinha, no centro de uma polêmica após a morte de duas cadelas que foram atacadas durante hospedagem, negou que os animais tenham sido abrigados nas dependências da unidade e que, na verdade, foram deixadas na casa da proprietária da clínica como um favor pessoal à tutora delas.

VÍDEO: Cadela que perdeu olho durante ataque de cães em hotel pet segue internada no Acre

Após a morte das duas cadelas, a tutora Luciana Vogel afirma que deixou os animais sob responsabilidade da clínica.

Segundo a unidade, no entanto, os animais foram deixados na casa de Simone Florêncio, com quem Luciana tem relação de proximidade por ser cliente há muito tempo. A clínica nega que tenha se tratado de prestação de serviço, e afirma que a estadia foi um favor pessoal. A unidade também nega que preste serviço de hotel para pets. (Confira abaixo a nota na íntegra)

“O pedido de residência e acolhida dos animais foi, inclusive, um pedido pessoal da Senhora Luciana Vogel à Senhora Simone Florêncio, que aceitou acolher os animais em sua residência, em virtude da proximidade existente entre as partes”, afirmou o estabelecimento por meio de publicação em rede social.

O g1 não conseguiu contato com Luciana nesta terça-feira (30), porém, também através de uma rede social, ela comentou as publicações feitas pela clínica. Ela voltou a afirmar que o estabelecimento prestou serviço de hospedagem, e disse que medidas judiciais já estão sendo tomadas.

“Só eu sei o quanto minhas filhas eram especiais para mim, e se uma pessoa não tem condições de prestar um serviço clandestino ou não, que ela não abra ou forneça tal serviço. Jamais vou querer que alguém sinta o que estou sentindo, eu deixei minhas filhas perfeitas e uma não tive nem como se despedir [sic] e a outra recebi em uma caixa”, afirmou.

Sobre a proximidade com a proprietária da clínica, Luciana afirmou que conheceu Simone em 2018 e diz que ouviu da própria Simone que ela poderia prestar o serviço de hospedagem. Ainda conforme Luciana, ela nem sequer sabe onde a proprietária mora e que entregou as cadelas na clínica.

“Se o Doce Patinhas é consultório veterinário, porque [sic] minhas filhas foram encaminhadas para lá… [sic] pq [sic] já arquei com mais de R$ 7 mil pois a responsável desapareceu. Eu não aguento mais sério [sic], só eu que perdi nessa história…”, disse.

Luciana Vogel comentou publicação de clínica veterinária em uma rede social — Foto: Reprodução
Luciana Vogel comentou publicação de clínica veterinária em uma rede social — Foto: Reprodução

Terceira cadela ferida segue internada

A cadela Bella, da raça shih-tzu, que sobreviveu ao ataque de cães no hotel pet, em Rio Branco há cerca de 12 dias, segue internada se recuperando. O animal perdeu um dos olhos no ataque e precisou de doação de sangue.

Além de Bella, as cadelas Crystal e Chanel também foram atacadas e morreram na clínica veterinária. Os animais são da policial civil Luciana Vogel. Nessa semana, a servidora pública revelou que o local onde deixou as cachorras foi a clínica veterinária Doce Patinha.

“Devido a grande repercussão sobre o ocorrido e temendo que isso ocorra com outras famílias pets, informo que o local foi o Doce Patinhas e que a responsável Simone Florêncio de Matos não custeou nada”, disse Luciana em uma rede social.

A policial civil buscou ainda o Ministério Público Estadual (MP-AC) e fez uma denúncia contra o estabelecimento por maus-tratos. Ela destacou também que recebeu informações de que suas cachorras foram atacadas por pitbull na clínica veterinária.

“Claro que não é culpa do pitbull, mas não foi briga entre elas e sim um cachorro grande [que as atacou]. Recebemos denúncias que ela [dona do estabelecimento] cria animais de grande porte, da raça pitbull, boxer e pastor belga, afirmou.

Luciana conversou com o g1 por mensagens. Ela acusou ainda a dona do estabelecimento de não arcar com as despesas do tratamento de Bella. “Não se posicionou ou deu nenhuma explicação, bem como não arcou com nenhuma despesa”, criticou.

Bella perdeu um olho após ficar em um hotel pet de Rio Branco — Foto: Arquivo pessoal
Bella perdeu um olho após ficar em um hotel pet de Rio Branco — Foto: Arquivo pessoal

Campanha de doação de sangue

A morte das duas cadelas e a internação de Bella sensibilizou muita gente e ganhou repercussão na capital acreana. Na sexta-feira (26), Luciana iniciou uma campanha para arrecadar sangue para Bella.

A cachorra tomou 320 ml de sangue e vários animais foram levados à clínica para doar sangue para ela. “Só um cachorro fez a doação para ela, porém, vários se disponibilizaram. Apareceram quatro lá em busca de dar vida para Bella”, celebrou.

Morte de cadelas

Em uma rede social, Luciana fez uma postagem explicando que precisou viajar por 11 dias e decidiu deixar as cadelas com uma pessoa que confiava, já que acreditava ser o melhor, porque uma delas já tinha 11 anos e precisaria de maiores cuidados.

No dia 18 de abril, quando estava prestes a retornar para casa, recebeu uma ligação do hotel para pets informando que Bella e Crystal, duas das três cachorrinhas dela, estavam com uma inflamação que fez com que os olhos ficassem saltados.

A responsável pelo espaço disse para ela que não sabia o que tinha acontecido, pois havia saído e não havia câmeras no local.

Policial civil Luciana Vogel fez um desabafo nas redes sociais após morte das cadelas — Foto: Arquivo pessoal
Policial civil Luciana Vogel fez um desabafo nas redes sociais após morte das cadelas — Foto: Arquivo pessoal

Luciana, então, pediu que a irmã fosse verificar o que havia acontecido e, ao chegar no local, percebeu que elas estavam praticamente em coma. As cadelas Crystal e Chanel morreram na clínica veterinária e a terceira, Bella, perdeu um olho. Um quarto animal também teria ficado ferido, segundo Luciana.

A tutora contou que recebeu algumas fotos enviadas pela irmã e chegou a se culpar ter levado os animais ao local. A servidora pública também expôs que o pior sobre a morte das “companheiras”, como ela chamava as cachorrinhas, é saber o quanto as duas sofreram.

“Elas não eram apenas parte da minha família, mas eram fonte de amor incondicional, alegria e companheirismo. Ficou um vazio imensurável”, finalizou.

Nota da clínica Doce Patinha

O Pet Shop e Consultório Veterinário Doce Patinhas, por meio de sua responsável legal, vem a público se manifestar acerca das matérias veiculadas na imprensa acreana, sobre o incidente ocorrido dia 18 de abril de 2024, que culminou na trágica morte das cadelas Crystal e Chanel.

De pronto, é de suma importância esclarecer que o ocorrido não se deu nas dependências do Pet Shop Doce Patinhas, pois não trabalhamos com serviços de hospedagem de animais, atuando apenas no ramo de tosa, banho e comercialização de produtos para pets:

Em nenhum momento os animais deram entrada no estabelecimento comercial, sendo de total conhecimento da Senhora Luciana Vogel que os animais ficariam hospedados na residência pessoal da Senhora Simone Florêncio, por 12 (doze) dias, enquanto àquela faria uma viagem de cunho pessoal.

O pedido de residência e acolhida dos animais foi, inclusive, um pedido pessoal da Senhora Luciana Vogel à Senhora Simone Florêncio, que aceitou acolher os animais em sua residência, em virtude da proximidade existente entre as partes.

O Pet Shop e Consultório Veterinário Doce Patinhas, repele qualquer tentativa de vincular a imagem do estabelecimento ao ocorrido, pois como dito, os fatos não se deram nas dependências do estabelecimento e a localização dos animais, bem como o local exato dos fatos, sempre foram de conhecimento da Senhora Luciana Vogel. Lamentamos o ocorrido e nos colocamos à inteira disposição das autoridades para comprovação do alegado, bem como da Senhora Luciana Vogel, para maiores esclarecimentos e apoio nesse momento tão difícil para todos.

O Pet Shop e Consultório Veterinário Doce Patinhas, possui mais de 07 (sete) anos de mercado e sempre pautou sua conduta profissional nos mais auspiciosos princípios, tratando cada animal com muito amor e respeito, sendo uma referência no comércio acriano.

Fonte: g1

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.