Coalas resgatados dos incêndios florestais NÃO PODEM ser libertados de volta à natureza

É provável que os coalas resgatados dos incêndios florestais na Austrália lutem, quer os marsupiais ameaçados sejam mantidos em cativeiro ou devolvidos à natureza, temem os especialistas.

Mais de três milhões de hectares de Nova Gales do Sul queimaram nos últimos meses. Chris Dickman, professor de ecologia da Universidade de Sydney, estima que as chamas mataram, direta ou indiretamente, 480 milhões de mamíferos, aves e répteis.

“Algumas coisas provavelmente não vão voltar”, disse ele ao Daily Mail Australia no final de dezembro.

“São quase meio bilhão de animais nativos.”

A destruição dos habitats dos coalas significava que os marsupiais provavelmente lutariam para se reproduzir nas próximas gerações, especialmente nas áreas de NSW que haviam sido queimadas.

“Você poderia dizer funcionalmente extinto em algumas áreas”, disse o professor Dickman.

Para piorar a situação, os incêndios florestais desde novembro haviam queimado o melhor habitat de coalas do norte de NSW, onde o solo era mais fértil.

“É quase certo que muitos coalas teriam morrido pela ação direta das chamas e, provavelmente, de forma indireta por uma combinação de fome, apanhados por cães, mesmo para os que sobreviveram.”

A luta dos coalas também lutaria para ser mantida em cativeiro.

“Não é fácil mantê-los em cativeiro por longos períodos e manter sua saúde”, disse o professor Dickman.

Mais de três milhões de hectares de Nova Gales do Sul queimaram nos últimos meses. Chris Dickman, professor de ecologia da Universidade de Sydney, estima que 480 milhões de mamíferos, pássaros e répteis morreram pela ação direta ou indireta das chamas (na foto, um coala queimado em Queensland) – Foto: Peter Luker/ Caters News Agency
O professor Dickman disse que os coalas também lutariam em cativeiro (na foto, um coala ferido em reabilitação no Hospital Koala em Port Macquarie) – Foto: Koala Hospital Port Macquarie

O Conselho de Conservação da Natureza estima que um terço do habitat de coalas existente na costa norte do estado tenha sido destruído desde o início dos incêndios em novembro.

A Aliança Florestal do Nordeste estima que a destruição de florestas em Port Macquarie e a Floresta Estadual de Braemar, perto de Casino, mataram mais de 2.000 coalas.

Coalas também são comedores exigentes, pelo menos quando se trata de folhas de eucalipto.

A Ministra Federal do Meio Ambiente, Sussan Ley, disse que os coalas resgatados dos incêndios florestais não podem ser realocados para outra área do bosque. – Foto: Getty Images

A Ministra Federal do Meio Ambiente, Sussan Ley, disse que isso significava que não se poderia realocar os marsupiais resgatados dos incêndios florestais para outra área da floresta.

“A próxima coisa mais difícil é como reintroduzi-los em seu habitat”, disse ela à emissora de rádio de 2GB de Sydney John Stanley.

“Você não pode pegar um coala que viveu por várias gerações em uma área e movê-lo para 50 km além.

“Ele precisa da mesma área, do mesmo tipo de árvores, e é realmente um exercício bastante complicado, pois os coalas não são as criaturas mais fáceis de se adaptar a diferentes circunstâncias.”

Mais de três milhões de hectares de Nova Gales do Sul queimaram nos últimos meses, o que dizimou as populações de marsupiais. O Conselho de Conservação da Natureza estima que um terço do habitat de coalas existente na costa norte do estado foi destruído desde o início dos incêndios em novembro (na foto, um coala resgatado das Montanhas Azuis a oeste de Sydney)- Foto: PR Image

Como resultado, é provável que os coalas sejam mantidos nessa condição até o habitat queimado se regenerar.

Os Serviços de Bombeiros Rurais confirmaram que 3,1 milhões de hectares de florestas de NSW queimaram no segundo semestre de 2019.

Embora os níveis de ameaça de incêndio tenham diminuído no Natal, ainda existem 79 incêndios no estado, com 40 ainda a serem contidos.

Os coalas estão longe de ser as únicas criaturas que enfrentam a extinção como resultado de incêndios florestais.

O professor Dickman apontou que a população de petauroides volens nunca havia se recuperado no Royal National Park, ao sul de Sydney, após incêndios florestais em 1994.

“Havia uma população bem conhecida de petauroides volens; desde então, houve um avistamento desses animais”, ele disse.

Por Stephen Johnson / Tradução de  Maria Leticia Guerra Machado Coelho

Fonte: Daily Mail

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.