Com batimentos cardíacos fracos, onça morre após resgate que durou 7h no MS

Com batimentos cardíacos fracos, onça morre após resgate que durou 7h no MS

MS corumba onca f56ae1001ba8A onça-pintada fêmea que foi resgatada na manhã de ontem (7), no Porto Geral, em Corumbá, a 419 quilômetros de Campo Grande, morreu horas depois do trabalho de salvação, que durou sete horas. Conforme a PMA (Polícia Militar Ambiental), o animal estava com os batimentos cardíacos fracos. Dois filhotes também foram resgatados.

“Após o resgate, ela foi levada para a Embrapa Pantanal, onde biólogos e veterinários a mantiveram sob monitoramento. Ela estava com os batimentos cardíacos fracos, a equipe tentou reanimá-la, mas não resistiu. Somente a necropsia vai poder esclarecer as causas da morte”, explicou o major Nivaldo de Pádua Mello, da PMA, ao Diário Corumbaense.

Uma das veterinárias que ajudou no resgate do animal comentou sobre a frequência cardíaca baixa. A fala dela apareceu em um vídeo, gravado pelo jornal local. O major da PMA ainda comentou sobre as causas da morte da onça.

“Quem sabe há quantos dias ela estava sem comer, nadando e ainda tendo que alimentar dois filhotes”, disse. O corpo do animal foi levado para o batalhão da PMA, onde deverá ser necropsiado no início da próxima semana.

Sete horas

Os trabalhos de resgate da onça-pintada fêmea e dos dois filhotes dela durou sete horas. O resgate foi comandado pelo Comitê de Captura de Animais Silvestres, que é formado pelo Corpo de Bombeiros, PMA, Polícia Militar, Embrapa Pantanal, Ibama, Fundação de Meio Ambiente do Pantanal, Centro de Controle de Zoonoses e Instituto do Homem Pantaneiro.

Os três animais estavam em uma árvore, uma mangueira, no quintal de uma casa que fica às margens do Rio Paraguai, no bairro Beira Rio. O dono da casa avistou as onças e acionou a polícia, que chamou o Corpo de Bombeiros. A área foi isolada.

A onça adulta foi a primeira a ser resgatada. Os bombeiros dispararam dardos tranquilizantes e uma hora depois o felino caiu fora da rede de proteção armada. O animal foi parar em meio a vegetação e a água do rio. Depois disso, o bicho recebeu mais sedação e foi levado para a Embrapa Pantanal, onde morreu.

Os filhotes foram resgatados depois.

Fonte: A Crítica

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.