Com quase 1 milhão de votos, enquete sobre vaquejada é encerrada

Com quase 1 milhão de votos, enquete sobre vaquejada é encerrada

Quase um milhão de internautas participaram da enquete feita pela Gazetaweb sobre a prática da vaquejada. O intuito da pesquisa era saber a opinião do público sobre a regulamentação da atividade no Brasil. Os comentários deixados tanto nas redes sociais do portal, quanto no próprio site, apresentaram diferentes pontos de vista sobre o assunto, mas a maioria das pessoas que respondeu à enquete votou contra a vaquejada.

No total, a enquete, que ficou aberta por uma semana, contou com 998.348 votos. Desse total, 38,19% deles foram a favor da atividade e 61,81% se mostraram contra a prática.

A discussão sobre atividade, considerada por muitos como um esporte, começou há algumas semanas, após uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que derrubou a lei que regulamenta a prática da vaquejada no Ceará. Protestos de vaqueiros defendendo o esporte aconteceram em diversos estados do país, inclusive em Alagoas. A grande discussão sobre o assunto gira em torno do sofrimento do animal que é colocado na arena durante a atividade.

Um criticou a prática e comparou a vaquejada com as rinhas de galo e de cães. (Foto: Reprodução)
Um criticou a prática e comparou a vaquejada com as rinhas de galo e de cães. (Foto: Reprodução)

Nas redes sociais, entre os defensores da causa animal, também houve discussão em torno das condições dos locais onde os bichos ficam presos antes da corrida.

Por outro lado, os apoiadores e praticantes do esporte alegavam que desde a sua criação até os dias atuais a prática modificou-se muito e que não é do interesse dos donos dos animais que eles sejam mutilados ou sofram qualquer abuso. Eles ainda destacaram que existem fiscalizações que não permitem que os animais sejam maltratados.

Outro internauta defendeu o esporte e destacou a existência de protetores de cauda, por exemplo. (Foto: Reprodução)
Outro internauta defendeu o esporte e destacou a existência de protetores de cauda, por exemplo. (Foto: Reprodução)

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.