Tutor de galinhas não tem onde alojar os bichos que estão há 11 horas em árvore do quintal alagado — Foto: Marina Alves/Sistema Verdes Mares

Com quintais alagados em Caucaia, filhotes de suíno morrem e galinhas estão sobre árvore desde 1h da madrugada

Os moradores de bairros de Caucaia, na Grande Fortaleza, acordaram com a água da chuva invadindo casas na madrugada deste domingo (28) e passaram a manhã limpando ruas e cômodos. Em duas casas, os proprietários tiveram também de cuidar dos bichos. Seis filhotes de suíno morreram afogados com o alagamento de um quintal e galinhas estão em cima de um árvore desde 1h da manhã.

Os quatro porcos da mesma ninhada que nasceram na sexta-feira passada foram colocados no banheiro para ficarem longe da inundação. Dona Socorro contou à equipe do G1 que foi ao local e ouviu o grunhido dos animais, mas quando chegou ao quintal parte já estava morta.

Os quatro filhotes sobreviventes precisaram ficar em um dos banheiros para não correrem o risco de morrer — Foto: Marina Alves/Sistema Verdes Mares
Os quatro filhotes sobreviventes precisaram ficar em um dos banheiros para não correrem o risco de morrer — Foto: Marina Alves/Sistema Verdes Mares

Na casa de Erandir Silveira, as galinhas não desceram da árvore nem quando o nível da água do quintal baixou um pouco na manhã deste domingo. De acordo com Silveira, ele não tem onde deixar os animais já que toda a casa e o quintal estão cobertos de água. “Vão ter que ficar aí mesmo. Não tenho para onde levar elas. Cedo elas já subiram na árvore”, disse.

Ainda segundo ele, essa foi a segunda vez que a chuva veio com grande intensidade e alagou as casas. Da primeira vez, o morador chegou a perder oito galinhas.

Móveis e casas

Ruas e avenidas viraram “lagoas” durante a madrugada deste domingo (28). Além dos animais, os moradores de pelo menos três áreas perderam móveis. Muitos não conseguiram dormir preocupados com a invasão das água nas residências.

Por Marina Alves e Bárbara Sena, G1 CE

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.