Começa o trabalho para retirada das capivaras que vivem na Lagoa da Pampulha, BH

Começa o trabalho para retirada das capivaras que vivem na Lagoa da Pampulha, BH

Estão previstos dois processos de captura, um com gaiolas e outro com uso de tranquilizantes. Animais serão encaminhados para áreas de preservação monitoradas pelo IBAMA.

MG bh 20140929181808121040a

De acordo com o vice-prefeito de Belo Horizonte e secretário municipal do Meio Ambiente, Délio Malheiros (PV), este trabalho vem sendo feito há uma semana, para que os roedores se acostumassem a se alimentar dentro das armadilhas, que são recheadas com cana-de-açúcar. Conforme os veterinários da empresa Equalis Ambiental, responsável pelo trabalho, os animais vão passar por exames, que vão mostrar o estado de saúde de cada um.

Dois processos de captura serão feitos pelos veterinários. O primeiro é o passivo, onde as capivaras são atraídas para gaiolas. O outro, é o ativo, quando os animais são atingidos por dardos com tranquilizantes. Porém, em ambas as situações, elas serão sedadas para que o transporte seja facilitado.

Délio Malheiros também afirmou que será feita a contagem de machos e fêmeas , e se for preciso, alguns serão castrados. Outra possibilidade é que alguns roedores sejam sacrificados, neste caso, se for diagnosticada alguma doença que comprometa a saúde pública.

O vice-prefeito também ressaltou que as capivaras tem causado acidentes na região, e três voos do aeroporto da Pampulha já foram cancelados depois que animais invadiram a pista. Outro problema registrado são os casos de caça na orla da lagoa.

De acordo com os veterinários, mesmo depois da captura, os animais serão mantidos separados, pois tem o instinto de viver separados territorialmente e podem ser agressivos uns com os outros. Conforme Délio Malheiros, os roedores causam prejuízo de R$ 4 milhões ao município, porque destroem os jardins da Lagoa.

Os animais capturados serão encaminhados para áreas de preservação ambiental monitoradas pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recurso Naturais (Ibama), em áreas afastadas da população.

Jacarés

A empresa que faz o trabalho de desassoreamento da Lagoa da Pampulha informou à prefeitura que 21 jacarés também vivem no local, mas que essa população já pode ter aumentado. No ano que vem, quando a limpeza atingirá uma nova etapa, serão feitas análises para saber se eles serão retirados.

Fonte: Estado de Minas

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.