Cães abandonados em imóvel de Ferraz de Vasconcelos. — Foto: Reprodução/TV Diário

Comerciante socorre cães abandonados sem comida e água em Ferraz de Vasconcelos, SP

Os latidos desesperados dos cães do vizinho sensibilizou o comerciante Sérgio Semerdian de Ferraz de Vasconcelos. Ele vive há 60 anos na Rua Marechal Deodoro da Fonseca, no bairro Romanópolis. O comerciante conta que os moradores da chácara vizinha mudaram e deixaram os cachorros.

Vídeo: Comerciante de Ferraz denuncia suspeita de maus-tratos a animais.

“É um latido de desespero e os latidos foram aumentando. E pelo muro nós vimos os cachorros se debatendo de fome e sem água. No total são cinco cachorros, sendo dois pastores alemães grandes, dois filhotes de pastor e um doberman preso em um canil no meio da chácara ”, explica o comerciante.

Pelo muro do terreno de Semerdian, dá para ver os cachorros. Um deles está machucado na pata. O comerciante ficou sensibilizado com a situação dos animais e passou dar ração e água pelo muro.

Para tentar salvá-los, ele já ligou para os Bombeiros, Polícia, Prefeitura e até em ONGs. Em todos esses contatos, a resposta foi a mesma. “Me atenderam, me disseram para eu ficar de olho nos cachorros. Mas disseram que não podem fazer nada por ser uma propriedade privada. E pediram para eu fazer um boletim de ocorrência, levar no juiz para ele autorizar alguém olhar em alguns dias. Mas se esperar uma semana, 10 dias os cachorros vão morrer.”

Mas na terça-feira (27), agentes do Centro de Zoonoses visitaram o denunciante para entender o caso. “Maus-tratos é crime. Ele deve procurar a delegacia e fazer um boletim. Eles solicitam nosso apoio. As ações quem toma é a polícia por se tratar de um crime. A gente dá um apoio técnico”, informa a coordenadora da Vigilância em Saúde, Karina Rente.

O comerciante não se conforma com o abandono dos animais e a falta de solução para o caso. “A gente cuida de animal, ganso, galinha, a gente cuida de fruta como ninguém. Minha chácara tem 80 anos. Os latidos dos cachorros me chamaram a atenção pelo abandono.”

De acordo com a Delegacia do Meio Ambiente, o procedimento em casos assim é exatamente o que o comerciante foi orientado a fazer: procurar qualquer delegacia para registrar um boletim de ocorrência para que sejam tomadas as providências.

Se a delegacia não fizer nada, o Ministério Público pode ser acionado.

Por Leandro Melo e Beatriz Andreoli

Fonte: G1

Os comentários abaixo não expressam a opinião do Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.