Comissão Europeia apoia o fim gradual dos testes em animais na ciência

Comissão Europeia apoia o fim gradual dos testes em animais na ciência

A Comissão Europeia comprometeu-se a apresentar um ‘mapa de estrada’ acelerar métodos alternativos que permitam o fim gradual dos testes em animais na pesquisa e educação, mas não contempla a apresentação de novas propostas legislativas para o setor de pesquisa, treinamento e educação.

Bruxelas “compartilha o objetivo” de acabar com os testes em animais em laboratórios europeus “assim que for cientificamente possível” mas “não considera que uma proposta legislativa seja a forma adequada” para o conseguir, como indicaram os serviços comunitários na sua resposta a uma iniciativa de cidadania europeia que exigia novas leis.

BEM ESTAR ANIMAL

Em seu parecer após examinar a petição ‘Compromisso por uma Europa sem testes em animais’, o Executivo Comunitário reconhece que bem-estar animal é uma “preocupação” dos cidadãos europeus e destaca o quadro regulamentar já existente, incluindo a proibição de cosméticos testados em animais imposta pela UE desde 2013.

Neste contexto, o Executivo Comunitário afirma que continuará a apoiar firmemente a investigação para o desenvolvimento de alternativas aos testes em animais e explorará a possibilidade de coordenar as actividades dos Estados-membros neste domínio.

Também anuncia um novo ‘roteiro’ para acelerar a cessação gradual da experimentação e medidas para reduzir os testes em animais em termos de regulamentação de produtos químicos, fitossanitários e medicamentos, especialmente com apoio “firme” a métodos alternativos.

Em comunicado, o vice-presidente da Comissão responsável pela Concorrência, Margrethe Vestagersublinhou que nas últimas duas décadas foram atribuídos 1.000 milhões de euros dos cofres comunitários ao “desenvolvimento, validação e adoção de alternativas à experimentação animal” e que este esforço “começa a dar frutos”.

“Algumas dessas ferramentas e métodos não-animais são disponíveis para a comunidade científica e são cada vez mais usados ​​para fins regulatórios”disse Vestager, que disse que Bruxelas “continuará a apoiar fortemente alternativas aos testes em animais com financiamento adequado e explorará a possibilidade de coordenar as atividades dos Estados-Membros nesta área”.

Por Eliana Da Silva

Fonte: Txopela / mantida a grafia lusitana original

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.