Condenado homem que instigou cão a abocanhar explosivos em MG

Condenado homem que instigou cão a abocanhar explosivos em MG

Homem de 44 vai pagar multa de R$ 724. Atena está internada desde o dia do crime, mas passa bem.

Por Marina Proton

O homem de 44 anos que instigou a cadela Atena a abocanhar explosivos em maio deste ano foi condenado a pagar uma multa de R$ 724 após julgamento no Juizado Especial Criminal de Juiz de Fora, realizado nessa quinta-feira (6).

Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), a juíza que acompanhou o caso aceitou a determinação do Ministério Público, que pedia que ele fosse condenado na aplicação imediata na pena de prestação pecuniária – pagamento de multa.

O valor da multa foi dividido em quatro parcelas. A primeira deve ser paga até o dia 6 de setembro e as outras nos meses seguintes.

Após ter estado de saúde grave e complicações durante o tratamento, o atual quadro da cadela é bom. As informações são da clínica que Atena está internada desde o dia 20 de maio para recuperação.

Entenda o caso

Um homem foi detido por abuso e maus-tratos contra uma cadela vira-lata no dia 20 de maio emJuiz de Fora. Ele instigou o animal a abocanhar um artefato que explodiu e a feriu. A cadela foi levada para uma clínica veterinária particular da cidade.

A Polícia Militar (PM) foi acionada na Avenida JK, perto do Bairro Barreira do Triunfo. De acordo com relato de testemunhas, o homem estava lançando explosivos chamados estalinhos e percebeu que a cadela estava abocanhando o objeto. Então, o homem adquiriu uma bomba conhecida como “cabeça de nego”, explosivo de maior capacidade, e jogou. Quando o animal abocanhou, o artefato explodiu.

Os policiais fizeram rastreamento, localizaram o suspeito e o levaram para a Delegacia de Plantão. Segundo informação da assessoria da Polícia Civil, como não havia testemunha para comprovar a lesão no animal porque dependia de laudo, por isso o suspeito foi ouvido e liberado.

Fonte: G1

Nota do Olhar Animal: É uma pena ridícula. Mesmo diante das limitações da legislação, poderia ter sido maior.

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.