Conselho defende continuidade do programa de castração de animais em Venâncio AIres, RS

Conselho defende continuidade do programa de castração de animais em Venâncio AIres, RS
Bernando e Otávio cuidaram da Lilica após o procedimento de castração - Foto: Arquivo pessoal / Divulgação

Realizado pela primeira vez, no fim do ano passado, o programa de controle populacional de pets garantiu a castração de 76 fêmeas de cães e gatos, em Venâncio Aires. Apesar de a Secretaria Municipal de Meio Ambiente ainda não assegurar uma nova edição, em 2019, a expectativa do Conselho Municipal de Proteção aos Animais (Compa) é de que o programa continue.

Para a presidente Kátia Diedrich, a continuidade do programa é necessária para garantir uma política pública. ‘O conselho vai dar o empurrão para que isso continue’, garante. Ela explica que a criação do Compa foi muito importante para a causa animal, mas a população ainda precisa colaborar mais com as campanhas e se conscientizar.

‘O nosso trabalho é lento, mas a única forma que achamos de controlar o número populacional dos pets foi essa de castração. Com certeza, a médio e longo prazo serão observados diversos resultados positivos. É uma solução’, enfatiza.

As esterilizações ocorreram de 11 a 19 de dezembro do ano passado, por clínicas veterinárias credenciadas pelo Município. Foram cadastrados 201 animais e o Compa fez uma seleção. O principal critério observado foi a comprovação de benefício social, seguido de fatores como: acesso do animal à rua e convivência com machos não esterilizados; se já teve filhotes; a idade da fêmea e o uso de método contraceptivo. A seleção foi dividida de acordo com os pesos dos animais com base nos termos estabelecidos com as clínicas.

As castrações tiveram custo total de R$ 24 mil, recurso oriundo do fundo gerenciado pelo Conselho Municipal de Meio Ambiente, para o qual foram direcionados recursos de multas e licenciamentos ambientais. Durante o procedimento de castração, foram inseridos microchips nos animais.

LILICA

A moradora do bairro Aviação, Cristine Eloiza Horbach, foi uma das tutoras contempladas com o programa. ‘Eu vi o link da notícia na internet e logo fui me cadastrar. Temos uma cachorrinha de estimação, a Lilica, de 3 anos e meio.’

Lilica realizou o procedimento, e segundo Cristiane, a recuperação foi tranquila. Ela teve todos os cuidados possíveis e foi muito mimada pelos tutores Bernando e Otávio, filhos de Cristiane. ‘Eu sempre fazia a injeção nela, mas com muito receio, por aumentar a chance do câncer. Quando fiquei sabendo do programa logo procurei me informar e participar.’

Fonte: Folha do Mate

Os comentários abaixo não expressam a opinião da ONG Olhar Animal e são de responsabilidade exclusiva dos respectivos autores.